OE/Crise: Assembleia da República com trabalhos agendados até 26 de novembro

OE/Crise: Assembleia da República com trabalhos agendados até 26 de novembro

A Assembleia da República marcou trabalhos até ao dia 26 de novembro, sendo a maioria agendamentos de partidos, anunciou a porta-voz da conferência de líderes, Maria da Luz Rosinha.

De acordo com a Constituição, as eleições legislativas antecipadas têm de se realizar nos 60 dias seguintes à dissolução do parlamento – que só poderá ser decretada, portanto, a partir de 01 de dezembro.

“Hoje foi uma conferência de líderes com uma particularidade, que foi o facto de termos ouvido o anúncio do senhor Presidente da República e por isso mesmo agendamos à partida, até dia 26, sendo que pelo meio, dia 17, faremos nova conferência de líderes para afinar aquilo que for necessário”, anunciou Maria da Luz Rosinha, em declarações aos jornalistas, no final da reunião.

Na sua maioria, adiantou, serão agendamentos potestativos de partidos, mais concretamente de dia 10 até 25 de novembro, sobre os mais variados temas.

Fonte: Lusa

PSD: “Seria muito prejudicial para o país e para o PSD” se partido mudasse de líder

PSD: “Seria muito prejudicial para o país e para o PSD” se partido mudasse de líder

O presidente do PSD e recandidato ao cargo defendeu que “seria muito prejudicial” para o partido e para o país se os sociais-democratas mudassem de líder, dizendo existir uma “clara inversão” de ciclo político.

No início da apresentação pública da sua candidatura, Rui Rio lamentou “uma incompreensível tendência autofágica, divisões internas que o bom senso aconselharia a evitar”.

O presidente do PSD e recandidato ao cargo defendeu que nas próximas eleições diretas do partido se vai escolher “o próximo primeiro-ministro”, deixando críticas implícitas ao seu adversário Paulo Rangel.

“Não estamos perante a escolha de um bom tribuno, nem de um eficaz angariador de votos partidários. Estamos perante a responsabilidade da escolha de alguém que tenha capacidade de resiliência, coerência de percurso, experiência e vocação executiva, e inequívocos atributos de liderança”, afirmou Rui Rio, na intervenção inicial da apresentação pública da sua recandidatura no Porto.

Para Rio, “o que está verdadeiramente em causa é a escolha do principal governante de Portugal”.

“De alguém que os portugueses reconheçam com o perfil adequado ao exercício do cargo que vai estar em disputa entre o Partido Social Democrata e o Partido Socialista”, sublinhou.

O presidente do PSD admitiu que vai ter de se conter nos debates com o adversário porque está “picado” e lembrou tudo ter feito para agregar o partido e acusando de mentir quem diz o contrário.

“Tenho de me conter um bocadinho porque quando me picam eu vou melhor. E eu estou picado”, afirmou Rui Rio, recandidato à liderança do PSD, aos jornalistas quando questionado sobre se estará disponível para debates com o adversário Paulo Rangel.

Após um discurso de 15 minutos, com muitas pausas devido às palmas que o interrompiam numa sala cheia de um hotel do Porto, onde decorreu a apresentação pública da sua candidatura, Rui Rio acusou os que dizem que não quis agregar o partido de faltarem à verdade. “Como vou resolver as divisões internas? Seguramente não em período pré-eleitoral, mas em período pós-eleitoral. Vou ter a mesma atitude que tive até aqui porque quando dizem que não quero agregar, sabem que é mentira, e eu detesto a mentira e a hipocrisia”, acentuou.

“Eu, a partir da primeira eleição tive um adversário, o doutor Santana Lopes, e a primeira coisa que fiz foi convidá-lo para encabeçar o Conselho Nacional, a segunda coisa foi convidar Paulo Rangel para número dois dessa lista, que não me tinha apoiado nessa altura, a terceira foi convidar para líder parlamentar o doutor Negrão, que tinha sido mandatário de Pedro Santana Lopes, e a quarta foi convidar como cabeça de lista ao Parlamento Europeu Paulo Rangel”, recordou.

E, portanto, o social-democrata reforçou que “tudo fez” para agregar, acrescentando que só pode agregar quem quer ser agregado.

Rui Rio anunciou publicamente a sua candidatura, no Porto, exatamente uma semana depois de o eurodeputado Paulo Rangel ter apresentado a sua, em Lisboa.

Até ao momento, Rui Rio e Paulo Rangel são os dois únicos candidatos anunciados às eleições diretas para presidente da Comissão Política Nacional do PSD, marcadas para 4 de dezembro (com uma eventual segunda volta no dia 11, caso nenhum dos candidatos obtenha mais de 50% dos votos, o que só poderá acontecer se existirem pelo menos três).

Fonte: Lusa

Autárquicas: PSD passa a maioritário no distrito de Bragança

Autárquicas: PSD passa a maioritário no distrito de Bragança

Nas recentes eleições autárquicas, o PSD conquistou sete das 12 câmaras do distrito de Bragança, tornando-se assim maioritário na presidência das autarquias.

Nas eleições autárquicas, de 26 de setembro, o PSD, em coligação com o CDS-PP, ganhou três câmaras aos socialistas. A coligação de direita ganhou em Miranda do Douro, Mogadouro e Vila Flor.

Em Miranda do Douro, Helena Barril, em coligação com o CDS-PP, conquistou 54,15% dos votos, vencendo assim com maioria absoluta, o candidato do PS, Júlio Meirinhos, que ficou nos 41,22%.

Outra surpreendente conquista aconteceu em Mogadouro, com António Pimentel a obter 48%74 dos votos e a derrotar o presidente recandidato, Francisco Gonçalves, que registou 46,35%.

Em Vila Flor, Pedro Lima alcançou 53,77% dos votos e venceu o autarca recandidato Fernando Barros, que obteve 40,47% da votação.

O PSD continua também a liderar Vimioso, com a reeleição de Jorge Fidalgo. Numa análise à vitória no concelho vimiosense, o presidente reeleito, disse que o resultado alcançado (63,38%) “superou as expetativas e é um reconhecimento por parte da população do trabalho desenvolvido ao longo dos anos”.

Jorge Fidalgo, referiu ainda que “ao contrário do que se poderia esperar, sobre um possível desgaste ao fim de 8 anos à frente da autarquia de Vimioso, continua a haver muita força e determinação para executar os projetos”, disse.

“A população do concelho de Vimioso deu-nos mais uma vez, uma prova de confiança, o que aumenta a nossa responsabilidade nos próximos quatro anos”, afirmou.

Em Bragança, Hernâni Dias foi também reeleito, fazendo o pleno em todos os órgãos autárquicos no concelho, onde o partido social-democrata é poder há 24 anos.

Os social-democratas mantiveram também o bastião do partido, em Carrazeda de Ansiães, onde João Gonçalves governará com maioria reforçada, ao obter quatro dos cinco mandatos para o executivo municipal.

A coligação PSD/CDS-PP manteve também Nuno Gonçalves à frente da Câmara de Torre de Moncorvo.

Ao fazer uma avaliação aos resultados do Partido Social-Democrata (PSD), no distrito de Bragança, o presidente da distrital do PSD, Jorge Fidalgo, dirigiu uma palavra de gratidão e ânimo aos candidatos que não alcançaram o resultado que os sociais-democratas desejavam.

Foram eles, Maria do Céu Quintas, em Freixo de Espada à Cinta, que perdeu a autarquia para Nuno Ferreira, do PS.

Em Vinhais, Carlos Almendra não conseguiu superar o socialista Luís Fernandes.

Em Mirandela, Duarte Trabanca, perdeu para Júlia Rodrigues.

Assim, como Nuno Morais também não logrou vencer em Macedo de Cavaleiros, o socialista Benjamim Rodrigues.

E em Alfândega da Fé, Vitor Bebiano, também não conseguiu superar Eduardo Tavares.

“Quero agradecer aos candidatos todo o trabalho que desenvolveram ao serviço do partido e dos seus concelhos. As propostas não foram vitoriosas, mas virão novas eleições nas quais esperamos merecer a confiança do eleitorado”, adiantou o presidente da distrital do PSD.

Quanto aos sete candidatos sociais-democratas que venceram as eleições nos seus concelhos, Jorge Fidalgo (que também venceu em Vimioso) felicitou os seus companheiros de partido, pelo trabalho realizado, quer como presidentes de câmara que se recandidataram, quer como novos candidatos vencedores pelas propostas que apresentaram.

“É com satisfação que vemos que o PSD volta a ser a força maioritária no número de câmaras municipais, no distrito de Bragança. Mas o nosso objetivo é ter sempre o maior número de autarquias possível. Este aumento de 5 para 7 autarquias deixa-nos satisfeitos.”

Nestas eleições no distrito de Bragança, o PSD conquistou 7 autarquias (Bragança, Carrazeda de Ansiães, Miranda do Douro, Mogadouro, Torre de Moncorvo, Vila Flor e Vimioso), o PS venceu 5 (Alfândega da Fé, Freixo de Espada à Cinta, Macedo de Cavaleiros, Mirandela e Vinhais) e os grupos de cidadãos foram a terceira força política, com o “Unidos por Carrazeda” a conquistar um mandato no executivo de Carrazeda de Ansiães.

O partido Chega ficou em quarto lugar na região, com quase 2%, o equivalente a 1.620 votos.

Resultados eleitorais no distrito de Bragança. (MAI)

https://www.autarquicas2021.mai.gov.pt/resultados/territorio-nacional?local=LOCAL-040000

Fonte: Lusa e HA

Autárquicas: PSD apresentou-se aos vimiosenses

Autárquicas: PSD apresentou-se aos vimiosenses

O partido social-democrata realizou no serão do dia 23 de setembro, o comício na sede de concelho, em Vimioso, onde Jorge Fidalgo apresentou aos vimiosenses o seu programa eleitoral e as suas equipas para a junta de freguesia, assembleia municipal e câmara municipal.

O candidato do PSD, Jorge Fidalgo, discursa ladeado pela sua equipa aos órgãos autárquicos do concelho de Vimioso. (HA)

Esta apresentação pública dos candidatos sociais-democratas realizou-se no pavilhão gimnodesportivo de Vimioso, onde o atual presidente, Jorge Fidalgo esteve rodeado de muita juventude. Os primeiros discursos do comício, estiveram mesmo a cargo das jovens Ana Raimundo e Patrícia Carvalho, que integram a lista social-democrata para o executivo municipal. Nas suas intervenções, as jovens vimiosenses elogiaram o candidato, Jorge Fidalgo, pela atenção que dedica à juventude e mostraram-se disponíveis para colaborar no desenvolvimento do concelho, com a sua “criatividade, companheirismo e profissionalismo”.

Por sua vez, Paulo Brás, que integra o executivo municipal há vários anos e volta a acompanhar Jorge Fidalgo nesta recandidatura à câmara municipal, mostrou a sua lealdade ao líder, realçando-lhe a “capacidade de trabalho e o exigente sentido de compromisso para com a população do concelho”.

Neste comício, foi apresentado o candidato à junta de freguesia de Vimioso, José Macedo, que agradeceu o convite recebido e exteriorizou o seu entusiasmo para trabalhar ao lado de Jorge Fidalgo, indicando algumas das obras que pretendem realizar na vila de Vimioso.

O atual presidente da câmara municipal de Vimioso, Jorge Fidalgo, que se recandidata a um terceiro mandato foi o último a discursar. Na sua intervenção, começou por agradecer e elogiar as pessoas que fazem parte da equipa social-democrata, às eleições de 26 de setembro.

De seguida, o atual presidente da autarquia, teceu duras críticas à candidatura adversária, do partido socialista, pela falta de “rigor e de preparação para governar o concelho de Vimioso”.

No seu discurso, Jorge Fidalgo, elencou algumas das obras e feitos conseguidos ao longo do último mandado. Na área da educação, por exemplo, referiu-se ao alojamento gratuito em residências de estudantes, para os alunos que se veem obrigados a estudar fora do concelho. Também na área do ensino, realçou que neste novo ano letivo, começou a funcionar uma turma de 10º ano, em que os alunos frequentam a componente socioeducativa, em Vimioso, e a componente profissional noutras escolas.

No âmbito das infraestruturas, o autarca, destacou por exemplo, a construção do novo centro municipal de proteção civil, junto à Câmara Municipal.

O candidato do PSD, Jorge Fidalgo, concluiu a sua intervenção e o comício indicando alguns dos “compromissos” que constam no seu programa eleitoral. Entre estes compromissos, destacou, por exemplo, na educação: a creche gratuita a partir de janeiro de 2022 e a literacia científica a partir do 4º ano. No desporto, propõe-se construir uma pista de motocross. Para o lazer, Jorge Fidalgo, mencionou a remodelação ou construção de um novo complexo de piscinas municipais. Na área da habitação, informou que vão ser disponibilizados mais 15 lotes para a construção de casas, destinadas a jovens casais. E no âmbito empresarial, Jorge Fidalgo, referiu-se à incubadora de empresas 3INT – Incubadora para a Inovação do Interior e Negócios Transfronteiriços (e ao espaço Coworking), como oportunidades que os comerciantes e empresários do concelho devem aproveitar para desenvolver os seus negócios.

HA

Autárquicas: PSD de Vimioso apresenta obras realizadas e os candidatos às eleições

Autárquicas: PSD de Vimioso apresenta obras realizadas e os candidatos às eleições

A candidatura do PSD à Câmara de Vimioso, liderada por Jorge Fidalgo, apresentou em Carção, as obras realizadas nos últimos quatro anos e deu a conhecer os candidatos à junta de freguesia local, assembleia municipal e câmara municipal de Vimioso.

No decorrer do comício realizado no serão do dia 16 de setembro, António Santos, natural de Carção e atual vice-presidente do munícipio vimiosense foi o primeiro a falar à comitiva laranja, presente no parque desportivo e de lazer da aldeia.

Na sua intervenção, “Toni” – assim é conhecido e tratado pelas pessoas – lembrou o seu percurso político, iniciado há 12 anos à frente da junta de freguesia de Carção e o posterior convite para exercer funções no executivo camarário.

Sobre o atual estado do concelho, disse que “Vimioso é um dos concelhos do país com melhor qualidade de vida”.

Por sua vez, o atual presidente da junta de freguesia de Carção, Daniel Ramos, que aceitou recandidatar-se para mais um mandato, começou por dizer aos carçoneiros que “o trabalho de um autarca à frente de uma freguesia nunca está acabado”.

Ao avaliar o trabalho realizado ao longo dos últimos quatro anos, o autarca de Carção, indicou as “obras realizadas” e salientou que nos últimos dois anos, por causa da pandemia, o trabalho da freguesia foi sobretudo direcionado para o “apoio social “à população de Carção.

Dado que a situação pandémica ainda não foi completamente ultrapassada, Daniel Ramos, referiu o propósito de “continuar a manter uma atenção e contato próximo com a população”.

Em Carção, o discurso mais aguardado do comício, foi o de Jorge Fidalgo, atual presidente da câmara municipal de Vimioso, que se recandidata para o terceiro mandado.

O autarca vimiosense iniciou a sua intervenção dizendo que “em política não há inimigos, há sim adversários que, com respeito, confrontam as suas ideias e projetos de governação” para o concelho de Vimioso.

“Após o dia 26 de setembro, vamos todos trabalhar em conjunto para o desenvolvimento do nosso concelho”, apelou.

Neste sentido, Jorge Fidalgo, acrescentou que a campanha eleitoral tem como objetivo “esclarecer as pessoas” sobre os diferentes projetos políticos.

Sobre o desempenho da sua equipa ao longo do mandato que agora termina, o presidente do município vimiosense, elogiou António Santos, pelo “grande trabalho social” realizado.

Em relação, ao desempenho da freguesia de Carção, destacou a “serenidade e lucidez” com que Daniel Ramos soube enfrentar os problemas do dia-a-dia.

Numa avaliação global, a obra realizada em todo o concelho de Vimioso, Jorge Fidalgo, disse que “a maioria dos compromissos assumidos foram cumpridos”.

O autarca vimiosense iniciou a sua intervenção dizendo que “em política não há inimigos, há sim adversários que, com respeito, confrontam as suas ideias e projetos de governação” para o concelho de Vimioso.

Sobre o programa para os próximos quatro anos, o candidato social-democrata, indicou que a educação, a saúde, o desporto, a área social, o desenvolvimento económico, o ambiente, a cultura e o património, as acessibilidades e a cooperação transfronteiriça são algumas das àreas prioritárias.

Sobre as acessibilidades, Jorge Fidalgo, adiantou que a ponte que fará a ligação entre Carção e Vimioso há-de realizar-se, pois o projeto está numa fase avançada, e “esta obra é fundamental para os concelhos de Vimioso, Miranda do Douro, Mogadouro e Freixo-de-Espada-à-Cinta”.

Numa alusão, ao programa socialista, Jorge Fidalgo, criticou as “ideias generalistas” elencadas, pois não dão a conhecer as “medidas e os procedimentos” para concretizar essas intenções.

“Apresentam generalidades mas não se comprometem com nada”, criticou.

E por falar em compromissos, o atual presidente da câmara municipal de Vimioso, afirmou que se for reeleito, compromete-se a cumprir o mandato até ao fim.

As eleições autárquicas vão realizar-se no dia 26 de setembro.

HA

Autárquicas: Inscritos nos cadernos eleitorais 9.323.688 cidadãos

Autárquicas: Inscritos nos cadernos eleitorais 9.323.688 cidadãos

Um total de 9.323.688 cidadãos estão inscritos nos cadernos eleitorais para as autárquicas do próximo dia 26 de setembro, indicou o Ministério da Administração Interna (MAI).

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna precisa dos 9.323.688 inscritos para as autárquicas, 29.814 são cidadãos estrangeiros, 13.924 dos quais naturais de Estados-membros da União Europeia e 15.890 de países terceiros, nomeadamente Cabo Verde, Brasil, Reino Unido e Venezuela, segundo o MAI.

O Ministério refere ainda que, “com a inalterabilidade dos cadernos eleitorais, ocorrida a 11 de setembro, ficaram também definidos os locais de voto indicados pelas câmaras municipais e juntas de freguesia para instalar um total de 13.821 secções de voto, o que corresponde a uma média de 675 eleitores por mesa”.

As informações sobre os cadernos eleitorais estão disponíveis https://www.sg.mai.gov.pt/AdministracaoEleitoral/EleicoesReferendos/AutarquiasLocais/Paginas/default.aspx?FirstOpen=1,

A campanha oficial para as eleições autárquicas começou no dia 14 de setembro para mais de duas dezenas de partidos e mais de 60 grupos de cidadãos que concorrem às autarquias do país.

Segundo o calendário divulgado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE), a campanha decorre até 24 de setembro, antevéspera do dia eleitoral.

Os eleitores podem votar nestas eleições do poder local, recebendo cada um três boletins de voto, um dos quais para eleger o executivo de cada uma das 308 câmaras municipais, outro para cada assembleia municipal e um terceiro para a eleição das assembleias de freguesia.

A CNE estima que tenham sido apresentadas, na totalidade, cerca de 12.370 listas, das quais cerca de 1.035 por grupos de cidadãos eleitores (GCE).

Fonte: Lusa

Autárquicas: «O grande inimigo da nossa democracia é as pessoas desinteressarem-se dela» – Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa

Autárquicas: «O grande inimigo da nossa democracia é as pessoas desinteressarem-se dela» – Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) alerta que o “grande inimigo” da democracia é “as pessoas desinteressarem-se dela” e destaca o dever cívico de participar nas eleições autárquicas, no próximo dia 26 de setembro.

“A minha posição sempre foi a posição da Igreja em Portugal: de respeito, primeiro, de apreço por todos que querem, com bons sentimentos, dedicar-se à polis, à política, à cidade, ao país e ao serviço que têm”, disse D. José Ornelas, em declarações à Agência ECCLESIA.

No contexto das eleições autárquicas do próximo dia 26 de setembro, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa alertou que o “grande inimigo da democracia é as pessoas desinteressarem-se dela”, assinalando que, depois, “ninguém tem autoridade para criticar” se não participa na vida da cidade.

Os portugueses são chamados a participar nas eleições autárquicas 2021 que vão eleger os responsáveis por 308 municípios, e respetivos presidentes das assembleias municipais, e os presidentes das 3091 Juntas de Freguesia em Portugal.

“Dá-me muito gosto de ver, entre os candidatos, a participação de muitos cristãos, até pessoas bem conhecidas do nosso meio diocesano”, realçou o bispo de Setúbal.

Os portugueses são chamados a participar nas eleições autárquicas 2021 que vão eleger os responsáveis por 308 municípios, e respetivos presidentes das assembleias municipais, e os presidentes das 3091 Juntas de Freguesia em Portugal.

D. José Ornelas salienta que “é importante” que as pessoas se comprometam “cada vez mais”, o que não significa que exista “uma opção politica única” mas podem ser “várias as correntes de opinião”.

“É importante que participemos nesta busca do futuro e com sentido para a humanidade. A nossa fé há de ser um ingrediente que nos leva a boas escolhas”, acrescentou.

Para o responsável católico “é bom” ter diversidade de candidaturas para que “não se transforme numa luta fratricida” mas numa procura “saudável” por projetos que sirvam as pessoas e a cidade.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa assinala que a Igreja e a sociedade vivem agora um “tempo de grandes desafios”, neste período de recomeço e início de novos anos pastorais, letivos e profissionais, para “reativar” algo que teve deser “redimensionado” por causa do “perigo que a pandemia fez experimentar”.

“Não significa que está tudo bem, mas têm outras possibilidades. A palavra de ordem é ‘não deixar de fazer as coisas’ mas vamos fazê-las com o cuidado necessário para que dai venha bem e não venha mal”, desenvolveu.

Com as condições pandémicas a dar um maior campo de ação, D. José Ornelas sublinha que o tema “é importante para todo o país” e alerta que há um antes da pandemia que “é bom que não volte”.

“É bom que o cuidar de cada um de nós, da nossa família, das nossas comunidades, seja acompanhado do estarmos, antes de mais, lá presentes. Certamente que isto é um desafio para todos. Na minha própria família noto isso, a gente quer voltar mas não quer por ninguém em risco: É preciso quebrar o gelo que tantas vezes nos fomos confrontando ao longo deste tempo”, concluiu o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

Ecclesia | HM/CB

Águas Vivas: «Tenho uma enorme admiração pelo trabalho autárquico» – Manuela Ferreira Leite

Águas Vivas: «Tenho uma enorme admiração pelo trabalho autárquico» – Manuela Ferreira Leite

A candidatura social-democrata à Câmara Municipal de Miranda do Douro voltou a realizar uma conferência online, desta vez dedicada ao tema da economia no concelho e aos candidatos Helena Barril e Óscar Afonso, juntou-se a ex-ministra das finanças e antiga líder do PSD, Manuela Ferreira Leite.

A ex-ministra das Finanças e anterior líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, foi a convidado da conferência online dedicada à economia no concelho de Miranda do Douro.

Após uma animada tarde de pré-campanha eleitoral pelas ruas de Águas Vivas, a conferência online realizou-se ao final da tarde de Domingo, dia 29 de agosto, no largo da Junta de Freguesia de Águas Vivas.

Com o objetivo de dar a conhecer a estratégia social-democrata para reativar a economia do concelho, Helena Barril e Óscar Afonso apresentaram as medidas económicas do seu programa, para apoiar as empresas, o comércio local e apoiar as famílias do concelho de Miranda do Douro.

O candidato social-democrata à presidência da Assembleia Municipal de Miranda do Douro, Óscar Afonso, começou por referir-se à convidada, Manuela Ferreira Leite, como um exemplo de “uma grande portuguesa na forma como exerceu os cargos públicos”, destacando o seu rigor, correção, estudo e espírito de serviço público. O economista disse ainda que Manuela Ferreira Leite personifica bem a pretensão da candidatura social-democrata: “seriedade no exercício dos cargos públicos e a ambição de transformar o concelho de Miranda do Douro, numa terra de oportunidades”.

De seguida, Óscar Afonso indicou os problemas mais graves que afetam o concelho mirandês: o despovoamento, a perda de rendimento da população, a dificuldade de acesso à assistência de saúde, dado que o centro de saúde local não funciona 24 horas por dia e os problemas económicos no comércio, na restauração e na indústria e na agricultura que se agravaram com a pandemia.

Sobre o tão falado negócio da venda das barragens, o candidato social-democrata criticou o servilismo e o silèncio do executivo camarário perante a fraude fiscal e a política do governo central. Óscar Afonso, voltou a dizer que o imposto de selo desse negócio é uma dívida ao concelho de Miranda do Douro, assim como o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), a participação na receita do IVA gerado pela venda de energia produzida pelos recursos naturais do concelho. “Esta receita é transferida mensalmente e já deveria ter começado em abril, mas até ao momento ainda não foi”, denunciou.

Segundo o economista, natural de Sendim, as receitas dos impostos em dívida são importantes para inverter o declínio do concelho de Miranda do Douro. Uma das medidas que a candidatura “Tempo de Acreditar” quer implementar é o Seguro de Saúde Municipal, assim como recrutar mais profissionais de saúde e assegurar o funcionamento, 24 horas por dia, do centro de saúde de Miranda do Douro. Outra medida é o apoio à economia local, “tão necessitada para enfrentar os prejuízos decorrentes da pandemia e para a sua modernização”.

Os sociais-democratas pretendem também ajudar os setores mais dinâmicos da economia local, como são a indústria e a agricultura, e neste setor o objetivo é implementar o regadio no concelho, de modo a a tornar a atividade agrícola mais produtiva, eficiente e competitiva. Outras medidas do programa do PSD são a modernização das cooperativas do concelho e a construção do matadouro municipal.

A candidata à Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril começou a sua intervenção, agradecendo a participação de Manuela Ferreira Leite na weconferência e elogiu o legado da ex-ministra das Finanças, designando-a como “um exemplo de coerência, de retidão, de espírito de serviço público”.

Entre as medidas que quer implementar como presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril, voltou a referir-se em primeiro lugar ao Seguro Municipal de Saúde, um instrumento que visa suprir a insuficiência do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e as dificuldades financeiras das famílias. Também no que concerne à saúde, Helena Barril, referiu-se à intenção de que o centro de saúde de Miranda do Douro funcione 24 horas por dia e tenha os recursos humanos e equipamentos técnicos necessários para garantir a assistência adequada.

Na agricultura, Helena Barril, disse ser sua intenção aproveitar os fundos comunitários para criar uma área de regadio, que permita aumentar a produtividade, a eficiência e o rendimento dos agricultores mirandeses, à semelhança do que já fizeram Carrazeda de Ansiães e Vimioso.

Para a indústria, tão afetada pela paralisação da economia por causa da pandemia, a candidatura do PSD, pretende criar um gabinete de apoio ao investidor, com um regulamento que vida otimizar procedimentos e conceder benefícios a quem invista no concelho de Miranda do Douro.

Para inverte o despovoamento, Helena Barril, indicou medidas como a maximização dos benefícios fiscais em sede de IRS, dirigido por exemplo, aos emigrantes e reformados, mas também a quem exerça profissões consideradas como de alto valor acrescentado, e que regressem ou se instalem no concelho de Miranda do Douro.

Em sintonia com Óscar Afonso, Helena Barril, referiu-se também ao dinheiro dos impostos em dívida do negócio da venda das barragens. Sobre este combate cívico e político, a candidata social-democrata disse que o dinheiro em falta é de crucial importância para tornar o concelho de Miranda do Douro “uma terra de oportunidades”. E desafiou a candidatura socialista a fazer o mesmo e a lutar para que os 200 milhões de euros em impostos sejam pagos. “Dinheiro que foi retirado aos mirandeses para dar à EDP”, denunciou.

A candidata social-democrata recordou que o concelho de Miranda do Douro é o quinto concelho do país que mais riqueza produz para o país, graças à produção de energia elétrica das barragens de Miranda do Douro e de Picote. No entanto, na distribuição da riqueza nacional, o concelho de Miranda do Douro é um dos menos recebe sendo por isso um dos concelhos mais pobres do país.

Referindo-se novamente a Manuela Ferreira Leite, como um “expoente na boa gestão dos dinheiros públicos, a candidata Helena Barril, caso seja eleita presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, comprometeu-se a gerir os recursos públicos de forma rigorosa, a favor do desenvolvimento de Miranda do Douro.

Helena Barril concluiu a sua intervenção afirmando que “pelo caráter, percurso, ideias, pela capacidade de fazer e de acontecer, pelo amor e dedicação ao concelho de Miranda do Douro, pela visão e a perspetiva de futuro, pela energia e determinação” está em condições de fazer mais e melhor do que o candidato socialista, na liderança da autarquia mirandesa. E por isso, diz, espera merecer a confiança dos mirandeses e mirandesas.

A conferência online, em Águas Vivas, concluiu-se com a intervenção da convidada, Manuela Ferreira Leite, que começou por expressar “a sua grande admiração pelo trabalho autárquico”.

Segundo a ex-ministra, o trabalho autárquico é de “grande proximidade e dedicação às pessoas”. E por isso, é também “muito escrutinado”.

“Quando o trabalho autárquico é realizado com dedicação e competência dá os seus frutos”, disse.

Na sua intervenção, Manuela Ferreira Leite, criticou o atual governo socialista dizendo que o país está cada vez mais pobre em comparação com os outros países da Europa.

Sobre a polémica da venda das barragens e e não cobrança dos impostos, a ex-ministra das Finanças disse que um autarca tem o dever de defender os interesses da sua população.

Manuela Ferreira Leite criticou o atual executivo camarário de Miranda do Douro, dizendo que “o caso da venda das barragens é exemplo da má gestão autárquica, que se coloca ao lado do governo, em prejuízo dos interesses da sua própria população”.

HA

Autárquicas: PSD entregou as listas às eleições no tribunal de Miranda do Douro

Autárquicas: Candidatura social-democrata “Tempo de Acreditar” entregou as listas às eleições

O PSD entregou no tribunal de Miranda do Douro, as listas com os candidatos aos diferentes órgãos autárquicos do concelho, para as eleições de 26 de setembro.

Ao início da tarde de ontem, dia 2 de agosto, a candidatura social-democrata liderada por Helena Barril e da qual fazem parte, Óscar Afonso, Nuno Rodrigues, Vitor Bernardo, Francisco Parreira e o mandatário Dinis Arribas, estiveram juntos, no tribunal de Miranda do Douro, para entregar as listas às próximas eleições autárquicas.

De acordo com Helena Barril, o acto de entrega das listas tem um grande significado, pois é a conclusão de um trabalho longo de constituição da equipa social-democrata, que vai concorrer as freguesias, à assembleia municipal e à câmara municipal.

“E é também o início da derradeira etapa antes do acto eleitoral agendado para o dia 26 de setembro”, disse.

A candidata social-democrata à presidência da Câmara Municipal de Miranda do Douro acrescentou que a entrega das listas com os nomes dos candidatos “credibiliza e solidifica a candidatura”.

Sendo a primeira mulher a candidatar-se à governação da autarquia mirandesa, Helena Barril, não escondeu a dificuldade que é encontrar pessoas disponíveis para assumir estas responsabilidades públicas, “em concelhos despovoados e perante o imperativo de cumprir a lei da paridade entre homens e mulheres”, alertou.

Sobre a expetativa para o acto eleitoral do dia 26 de setembro, Helena Barril, começou por dizer que estão “dependentes da vontade do povo”. Mas acrescentou que têm a esperança de ganhar as eleições autárquicas locais.

“É para esse objetivo que estamos a trabalhar”, concluiu.

HA

Autárquicas: Júlio Meirinhos propõe mestrado e cursos técnicos superiores

Autárquicas: Júlio Meirinhos propõe mestrado e cursos técnicos superiores

No passado dia 16 de julho, a candidatura socialista à Câmara Municipal de Miranda do Douro, reuniu-se em Vila Real, com Emídio Gomes, reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) para definir um acordo de formação com Miranda do Douro.

De acordo com o comunicado socialista, da reunião, entre a equipa de Júlio Meirinhos e o reitor da UTAD saiu uma proposta formativa direcionada para as necessidades do concelho de Miranda do Douro.

O acordo prevê a realização, em Miranda do Douro, do mestrado em “Competências Digitais”, direcionado para “professores, funcionários públicos, municipais e técnicos superiores de instituições associativas e privadas, que necessitam apetrechar-se em modernas competências digitais”, pode ler-se.

Segundo Júlio Meirinhos, o acordo prevê também dois Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) direcionados para a área da saúde, em Gerontologia; e outro em Turismo transfronteiriço.

Segundo o comunicado, para a realização desta formação superior, a Câmara Municipal fornecerá instalações para os alunos e residência para os professores deslocados temporariamente.

HA