Miranda do Douro: Aula e concerto de cânticos gregos e turcos

Miranda do Douro: Aula e concerto de cânticos gregos e turcos

Na tarde desta sexta-feira, dia 19 de abril, os alunos da escola básica de Miranda do Douro (EB1) vão participar numa aula de iniciação ao canto grego e turco e no Domingo, dia 21 de abril, a Igreja paroquial da Quinta do Cordeiro, em Duas Igrejas, é o placo do concerto de Primavera “Músicas e Transes de Anatólia”.

O concerto é protagonizado pela artista, Julie Lobato, com a interpretação de temas gregos e turcos, que refletem a sua vivência nestes países.

Antes do concerto, na tarde sexta-feira, dia 19 de abril, a intérprete vai orientar uma aula de iniciação ao canto turco e grego, na Escola Básica de Miranda do Douro (EB1).

Segundo o município de Miranda do Douro, o ciclo de “Concertos de Primavera” tem como propósito descentralizar a atividade cultural e proporcionar eventos musicais, às populações das várias localidades do concelho de Miranda do Douro.

HA

Património: O turismo religioso «é para todos» – Miguel Neto

Património: O turismo religioso «é para todos» – Miguel Neto

O diretor da Pastoral do Turismo Portugal, da Igreja Católica, o padre Miguel Neto, afirmou por ocasião do Dia dos Monumentos e Sítios, celebrado a 18 de abril, que o turismo religioso “é para todos”, crentes ou não e anunciou umas jornadas dedicadas a este setor, em 2025.

“É difícil distinguir onde vai a nossa identidade e onde vai a nossa fé naquilo que são, por exemplo, as manifestações, as procissões, numa Semana Santa que acabamos de celebrar. É difícil”, disse o padre Miguel Neto, em entrevista à Agência ECCLESIA.

O diretor da Pastoral do Turismo Portugal (PTP), organismo da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), acrescenta que se não promoverem e continuarem a promover os fenómenos do turismo religioso vão “enclausurar, cada vez mais, a fé cristã”.

“Sabemos que o turismo religioso atrai pessoas que necessariamente não vão às celebrações. Por exemplo, as procissões do Enterro do Senhor têm muito mais gente do que as celebrações da Paixão do Senhor dentro da Igreja. Obviamente, sabemos disso… Mas, nós vamo-nos insurgir? Não!”, desenvolveu o sacerdote, identificando “um cristianismo cultural”.

Desde 1983, comemora-se o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios no dia 18 de abril, este ano com o tema ‘Catástrofes e Conflitos à luz da Carta de Veneza’, pelos 60 anos deste documento; em Portugal muito património tem uma marca cristã católica.

“Esse património é a nossa cultura. Em primeiro lugar, temos que pensar nisso, e é um debate que está sendo feito em vários países. Em  Espanha é um debate que está a ser feito de uma forma muito sub-reptícia, mas muito forte, em que temos de valorizar aquilo que é o património, porque é o sinal visível, concreto, físico daquilo que é a nossa cultura”, indicou o diretor da Pastoral do Turismo Portugal.

O padre Miguel Neto lembrou que já não se vive “numa era de cristandade”, quando esse património foi feito, onde “todas as pessoas se concentravam ali, como sendo a casa comum” e, por isso, é preciso “usar o património para aquilo que foi criado, para o anúncio da fé, neste caso, o primeiro anúncio da fé”.

“Hoje em dia, grande parte das pessoas que visitam o património não tem uma literacia turística, nem uma literacia de história, de liturgia, para saber o que é um sacrário, o significado de uma cruz, para saber, inclusive, as imagens dos santos, que é algo que, mesmo dentro da própria Igreja, é muitas vezes difícil nós distinguirmos. É importante percebemos que, é através deste conhecimento, através desta visita, que se faz o primeiro anúncio de fé”, desenvolveu.

A Igreja Católica marcou presença na edição 2024 da BTL, a Bolsa de Turismo de Lisboa, realizada entre 28 de fevereiro e 3 de março, onde foi lançado o livro ‘Caminhos e Destinos da Pastoral do Turismo Laudato Si’; o sacerdote algarvio, que destacou objetivos da nova publicação, afirmou que também quer ajudar a perceber que “o turismo não é um fenómeno que prejudique a Igreja, e os turistas não prejudicam a Igreja”.

No Programa ECCLESIA, transmitido a 18 de abril, na RTP2, o padre Miguel Neto anunciou que nas próximas Jornadas da Pastoral do Turismo, em 2025, vão focar-se “mais” na questão da ‘Fratelli Tutti’ Encíclica do Papa Francisco, ‘sobre a fraternidade e a amizade social’, publicada 3 de outubro de 2020.

Fonte: Ecclesia

Incêndios: Limpeza dos terrenos rurais até 30 de abril

Incêndios: Limpeza dos terrenos rurais até 30 de abril

A ministra da Administração Interna, Margarida Blasco, apelou a todos os portugueses proprietários de terrenos rurais para que procedam à sua limpeza até 30 de abril, destacando que este ato é fundamental para a prevenção dos incêndios florestais.

“Gostaria de pedir a todos os portugueses que procedessem à limpeza das matas e dos seus terrenos com ajuda das autarquias quando for necessário. É extraordinariamente importante a participação de todos os cidadãos neste ato, a limpeza das matas podem salvar vidas, podem salvar bens e é essencial que os portugueses participem”, disse aos jornalistas a ministra, no final da cerimónia comemorativa do 17.º aniversário da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Margarida Blasco aproveitou a cerimónia na ANEPC para fazer o apelo numa altura em que se aproxima a época considerada mais crítica em incêndios rurais.

A ministra frisou que a limpeza das matas e dos terrenos é fundamental na prevenção dos fogos rurais.

Os proprietários de terrenos rurais, sejam florestais ou agrícolas, têm até 30 de abril para proceder à sua limpeza, passando a GNR, a partir de 1 de maio, à fase de fiscalização e a multar os proprietários que não cumprirem, e as coimas podem atingir o valor de cinco mil euros para pessoas singulares ou 25 mil euros para pessoas coletivas.

Segundo o regime excecional das redes de faixas de gestão de combustível, os trabalhos para a implementação de faixas de gestão de combustível contra incêndios devem decorrer até 30 de abril numa faixa de 50 metros à volta de habitações e outras edificações e numa faixa de 100 metros à volta dos aglomerados populacionais, parques de campismo e zonas industriais, por exemplo.

Se os proprietários não cumprirem no prazo a limpeza dos terrenos, as câmaras municipais assegurarão, a partir de 1 de maio, a realização de todos os trabalhos de gestão de combustível, mas os donos terão de permitir o acesso aos seus terrenos e de pagar as despesas às autarquias.

Fonte: Lusa

Sociedade: Extinção do SEF causa “degradação da situação migratória” – Governo

Sociedade: Extinção do SEF causa “degradação da situação migratória” – Governo

O Governo denunciou a “degradação da situação migratória” em Portugal nos últimos meses, quer no acolhimento e regularização de estrangeiros, quer na operacionalidade do controlo e fiscalização, resultantes do desmantelamento do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Esta posição emitida em comunicado pelo gabinete do ministro da Presidência, que tutela as migrações, surge na sequência de uma concentração de manhã de cerca de 100 pessoas, sobretudo cidadãos do Bangladesh, Paquistão e Índia junto à Agência para a Integração, Migrações e Asilo (AIMA), em Lisboa, para reclamarem contra os atrasos na atribuição dos cartões de autorização de residência.

O ministro António Leitão Amaro afirma, citado no mesmo comunicado, que “esta evolução e avaliação” realizada nas duas semanas decorridas desde a tomada de posse deste Governo, “confirmam diagnósticos prévios quanto ao desacerto das opções políticas e institucionais anteriores e da sua execução, designadamente quanto ao processo de extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e da implementação da AIMA”.

O Governo adianta que, face ao desmembramento do SEF pelo anterior executivo socialista, “estão pendentes de decisão centenas de milhares de processos relativos a cidadãos migrantes e verificam-se dificuldades sérias no funcionamento do sistema de controlo, fiscalização, acolhimento e integração”.

O ministro refere ainda que está a acompanhar a situação, em contacto com várias autoridades.

A concentração em frente à sede da AIMA começou cerca das 10:30 e um representante destes cidadãos explicou aos jornalistas que o descontentamento tem sobretudo a ver com o tempo de espera, que nalguns casos ultrapassa os nove meses, para a obtenção da renovação da autorização de residência.

Fonte: Lusa

Desporto: Passeio reúne as populações de Santulhão, Carção e Argozelo

Desporto: Passeio reúne as populações de Santulhão, Carção e Argozelo

No próximo Domingo, dia 21 de abril, vai realizar-se o 7º Passeio Pedestre dos “3 Termos”, uma inciativa conjunta das freguesias de Carção, Santulhão e Argozelo e que tem como objetivos promover o convívio, a atividade física e dar a conhecer a beleza natural destas localidades.

Segundo o programa, o passeio pedestre inicia-se com às 8h30 da manhã, com a concentração dos participantes, no Largo das Festas de Carção.

A caminhada de 10 quilómetros inicia-se às 9h00, estando previsto um reforço alimentar ao longo do percurso. No decorrer da caminhada, a organização disponibiliza um carro de apoio.

No final da caminhada, os participantes são recompensados com um almoço convívio.

As inscrições podem ser feitas presencialmente nas Juntas de Freguesia de Carção, Santulhão e Argozelo ou através dos contatos 932 335 998 (Daniel Ramos), 965 114 076 (Jorge Gonçalves) e 968 317 997 (Rute).

A organização do “Passeio dos 3 Termos” informa que os participantes inscritos beneficiam de seguro e vão ser presenteados com um brinde.

Esta atividade é uma iniciaitiva conjunta das freguesias de Santulhão, Carção e Argozelo e que conta com o apoio do município de Vimioso.

HA

Entrevista: “O sucesso desportivo do CDMD é o resultado do trabalho de todos” – Vitor Hugo

Entrevista: “O sucesso desportivo do CDMD é o resultado do trabalho de todos” – Vitor Hugo

Desde jovem que conciliou os estudos com o desporto e ao fazê-lo ganhou disciplina e aprendeu a usar a ciência na atividade desportiva. Tem como referência o atual selecionar nacional de futsal, Jorge Braz, que o convidou para jogar na primeira divisão de futsal e com quem aprendeu os fundamentos desta modalidade. Em duas épocas, como treinador e jogador, Vitor Hugo Luís, conduziu o Clube Desportivo de Miranda do Douro (CDMD) à conquista de dois campeonatos distritais, duas Taças e uma supertaça.

Terra de Miranda – Notícias: Qual foi o seu percurso académico e profissional no desporto?

Vitor Hugo: Na minha juventude fiz toda a formação desportiva no Grupo Desportivo Mirandês, com uma experiência de um ano no Leixões. Concluído o ensino secundário, fui estudar para a UTAD, em Vila Real e para fugir às praxes académicas dedidi ir treinar na equipa universitária de futsal. Nesse tempo, a equipa era treinada pelo professor Jorge Braz, hoje selecionador nacional, que gostou do meu desempenho e quis que eu ficasse na equipa universitária.

T.M.N.: A descoberta do futsal deveu-se ao Jorge Braz?

V.H.: Sim, a ele e ao Jorge Palas que já tinham um conhecimento profundo sobre a modalidade e sabiam ensinar. Com eles adquiri muitos conceitos e ensinamentos que ainda hoje guardo e procuro transmitir.

T.M.N.: Que grandes diferenças há entre o futebol de 11 e o futsal?

V.H.: Desde logo, a grande diferença é o recinto de jogo, já que o futebol é praticado outdoor e o futsal é uma modalidade indoor. Outras diferenças são as dimensões do campo e o número de jogadores no futsal é apenas de 5. A intensidade de jogo no futsal também é maior, o que obriga a substituições constantes.

T.M.N.: Quais os melhores momentos da sua carreira desportiva?

V.H.: Destaco a participação nos campeonatos nacionais da 1ª e 2ª Divisão de Futsal, na equipa de da UTAD. Após a conclusão do ensino universitário, fui trabalhar para Macedo de Cavaleiros, onde joguei no Grupo Desportivo Macedense, então na 2ª Divisão. Em 2008, vim trabalhar para Miranda do Douro e voltei ao futebol de 11, numa época em que ganhámos a Taça Distrital. Seguiram-se dez temporadas na equipa de futsal do Clube Atlético de Mogadouro, onde disputei os campeonatos da 1ª, 2ª e 3ª divisões e distrital. Em 2021, tive a primeira experiência como treinador, ao formar uma equipa de futsal no Grupo Desportivo Mirandês. E na época seguinte, em 2022/2023, dediquei-me por inteiro à função de treinador e jogador no recém formado Clube Desportivo de Miranda do Douro (CDMD).

T.M.N.: Ao longo deste percurso, quem são as suas referências no futsal?

V.H.: Como já referi, os treinadores Jorge Braz e o Pedro Palas foram muito importantes no meu crescimento nesta modalidade. O atual selecionador nacional de futsal, Pedro Braz, é uma inspiração pela capacidade de liderança, consistência, pelo grande conhecimento e planeamento do jogo.

T.M.N.: Construiu a equipa de futsal do Clube Desportivo de Miranda do Douro (CDMD) e nas duas épocas em competição, conquistou 5 títulos: dois campeonatos distritais, duas Taças distritais e uma Supertaça. Qual a razão deste sucesso?

V.H.: Compromisso, trabalho, consistência, disciplina, organização e planeamento. Destaco, por isso, o trabalho inexcedível da direção que procura proporcionar todas as condições aos atletas. Destaco também os atletas que estão super comprometidos com o clube e abdicam muitas vezes da sua vida pessoal. E destaco, a capacidade de trabalho e planeamento da equipa técnica. Portanto, o sucesso alcançado é resultado do trabalho de todos.

T.M.N.: Um aspeto surpreendente do sucesso da equipa de futsal do CDMD é ser constituída maioritariamente por jogadores naturais do concelho de Miranda do Douro. Como se fazem bons jogadores de futsal?

V.H.: Quando iniciámos a formação desta equipa de futsal em Miranda do Douro eu já sabia que estes jogadores tinham qualidade. Muitos deles já tinham jogado noutros clubes como o Mogadouro e o Vimioso. Para além da aprendizagem técnica e tática do jogo, como as movimentações próprias do futsal, estes jogadores assimilaram muito bem o ideal de conquistar títulos para a sua cidade. E conseguir vencer pela nossa terra é uma alegria enorme!

T.M.N.: Com a conquista do segundo campeonato consecutivo, a equipa de Miranda do Douro tem a possibilidade de disputar novamente o playoff de acesso à III Divisão Nacional de Futsal. Este ano, a equipa está mais preparada para esta prova?

V.H.: Sim, a equipa do CDMD está mais experiente e a competição permitiu desenvolver a qualidade do nosso jogo, quer individual quer coletivamente. Sobre o playoff de acesso à III Divisão de Futsal é importante referir que vão competir as quatro equipas que foram campeãs nas associações de futebol de Bragança, Vila Real, Viana do Castelo e Braga. Por isso, o nível de competição dos seis jogos vai ser muito exigente e cada detalhe pode definir a vitória ou a derrota. Daí que é uma competição que exige uma concentração máxima. Sublinho ainda que é muito importante começar bem nos três primeiros jogos, pois disso depende a subida ao campeonato da III Divisão de Futsal.

T.M.N.: Quando vão iniciar o playoff?

V.H.: O playoff começa no dia 25 de maio. Até ao momento, já conhecemos o primeiro adversário, o GDR Gondarém, campeão de futsal na Associação de Futebol de Viana do Castelo. Em Vila Real, ainda estão a jogar as meias-finais. E no campeonato de futsal da A.F. Braga, a equipa do Piratas de Creixomil (Guimarães) leva dois pontos de vantagem sobre o Lordelo.

T.M.N.: Os jogos do playoff implicam outra logística?

V.H.: Sim, os jogos realizam-se aos sábados e as viagens de ida e volta são mais longas, o que exige outro planeamento, logística e custos acrescidos.

T.M.N.: Como é ser jogador e treinador?

V.H.: É muito difícil jogar e orientar a equipa ao mesmo tempo. Só com a ajuda da restante equipa técnica é possível fazer um bom trabalho.

T.M.N.: Como é o Vitor Hugo como treinador?

V.H.: Ao longo do meu percurso desportivo sempre gostei de treinar, quer as camadas jovens, quer os seniores. Neste trabalho, sou muito analítico e dou particular atenção aos detalhes, como a assiduidade nos treinos, os minutos jogados por cada atleta, o que podemos melhorar no nosso jogo, os pontos fortes dos adversários e as suas fraquezas, etc. Esta análise dá muito trabalho, mas depois faz a diferença no resultado final dos jogos.

T.M.N.: E a comprová-lo estão as conquistas dos dois Campeonatos distritais, duas Taças e uma Supertaça. O vosso sucesso tem inspirado os jovens a praticar futsal, em Miranda do Douro?

V.H.: Sim, o futsal tem vindo a ganhar praticantes e adeptos. Este ano conseguimos formar, pela primeira vez, uma equipa de juniores que disputou o campeonato interdistrital. E ficámos muito felizes por dar esta oportunidade desportiva aos jovens mirandeses. Nas camadas jovens, o CDMD tem ainda uma equipa constituída só por meninas que gostam muito desta modalidade.

Perfil

Vitor Hugo Luís nasceu e estudou em Miranda do Douro até à conclusão do ensino secundário. Prosseguiu os estudos na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, onde concluiu uma licenciatura e um mestrado em  Educação Física e Desporto.

HA

Fotos: CDMD

Cultura: Filandorra “Conta e Canta Abril”

Cultura: Filandorra “Conta e Canta Abril”

A companhia Filandorra vai percorrer 3.000 quilómetros nas próximas duas semanas, no interior Norte, para “Contar e Cantar Abril”, um espetáculo de teatro e música que revive a ditadura, a clandestinidade, a emigração e a guerra colonial.

Esta viagem no tempo incorpora também a visão o diretor da Filandorra Teatro do Nordeste, David Carvalho, sobre o dia 25 de Abril de 1974 e os dias pós-revolução.

“O meu pai era cabo da GNR e estava a semear batatas, ali quem vai para Bisalhães [Vila Real]. Pelas 10:30, aparece um jipe da GNR, os colegas gritam que há uma revolução em Lisboa. Ele foi-se embora, não apareceu durante três dias em casa”, contou.

David Carvalho tinha, na altura, 18 anos e referiu que acompanhou com atenção, através da rádio e jornais, tudo o que foi acontecendo e que, em Vila Real, as pessoas saíram para a rua apenas nos dias a seguir, com uma grande concentração popular a acontecer, na Avenida Carvalho Araújo, a 1 de maio de 1974.

“Foi a grande apoteose, a avenida encheu-se”, disse, apontando para uma fotografia sua desse dia no meio da multidão.

Logo a seguir, David Carvalho integrou as brigadas de alfabetização que “levavam a cultura ao interior, forçada um bocadinho”, concluiu com a distância política, histórica e até académica que o tempo trouxe.

“Tinha um bilhete de comboio para andar quando quisesse, tinha o cabelo à Jimmy Hendrix e um casacão verde (…) Às vezes íamos de burro, dormíamos nos palheiros e namorávamos”, recordou, salientando que trouxe um pouco da sua experiência para o espetáculo que a companhia preparou para celebrar os 50 anos da revolução.

“Estou a viver isto com se fosse memória”, afirmou o diretor, hoje com anos 68 anos.

Para construir o projeto “Contar e Cantar Abril”, a Filandorra documentou-se com depoimentos de pessoas que viveram de perto a revolução, com fotografias e notícias de jornais.

O espetáculo narra, através de uma personagem de 12 anos que se chama Liberdade, o antes do 25 de Abril, o dia 25 de Abril e a festa da revolução que se seguiu, revivendo a ditadura salazarista e os limites à liberdade de expressão, a clandestinidade, os movimentos anti-regime, a emigração clandestina e a guerra colonial e, depois, a liberdade e a democracia.

A performance teatral que conta os “50 anos no caminho da liberdade” intercala com canções de intervenção da época.

David Carvalho referiu que a companhia vai andar em digressão durante duas semanas pelo interior do Norte do país, percorrendo aproximadamente 3.000 quilómetros, de Penedono, onde começou a viagem na sexta-feira, a Carrazeda de Ansiães, Macedo de Cavaleiros, Vinhais, Régua, Vila Real, Valpaços, Vila Pouca de Aguiar, Miranda do Douro e Vila Nova de Foz Côa, onde termina a 28 de abril.

O dia 25 de Abril será passado “no Portugal profundo”, entre Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo Rodrigo.

Durante duas semanas, a Filandorra vai realizar 25 espetáculo para o público escolar, alunos e professores, e a comunidade em geral, fazendo, pelo meio, arruadas pelos centros das vilas e cidades.

“O teatro vem mesmo para a rua”, realçou David Carvalho e, com ele traz o “detalhe das calças à boca-de-sino, as roupas de lãs coloridas, os cabelos longos”, salientando o “rigor absoluto” para os mais velhos se reverem ao espelho .

Fonte: Lusa

Finanças: Reembolsos de IRS já emitidos totalizam 21,7 ME

Finanças: Reembolsos de IRS já emitidos totalizam 21,7 ME

O valor total dos reembolsos de IRS já emitidos ascende a 21,7 milhões de euros, indicou o Ministério das Finanças, avançando que até ao momento foram processadas 205 mil devoluções de imposto.

“Até à data, o número de declarações de IRS entregues supera já os dois milhões (2.042.060 declarações), tendo sido já emitidos 205 mil reembolsos”, refere fonte oficial do Ministério das Finanças em resposta à Lusa, precisando que “o montante total de reembolsos pagos ascende a 21,7 milhões de euros”.

Do total de declarações entregues desde que começou a campanha do IRS deste ano (relativa aos rendimentos de 2023), há 890 mil que foram submetidas através do IRS Automático.

O Ministério das Finanças precisa ainda que o valor médio dos reembolsos já emitidos ronda os 867 euros, sendo que o prazo médio desta devolução do imposto se situa em 12,8 dias.

A entrega da declaração anual do IRS começou em 1 de abril e prolonga-se até 30 de junho, prazo que abrange todas as categorias de rendimentos.

Fonte: Lusa

Ensino: Governo inicia negociações com professores sobre recuperação do tempo de serviço

Ensino: Governo inicia negociações com professores sobre recuperação do tempo de serviço

A nova equipa do Ministério da Educação começa a 18 de abril, as reuniões com os sindicatos de professores para discutir a recuperação do tempo de serviço congelado no tempo da ‘troika’ (2011-2014), uma reivindicação que motivou protestos e greves nos últimos anos.

O ministro da Educação, Ciência e Inovação, Fernando Alexandre, recebe as 10 estruturas sindicais representativas dos professores, sendo esta a primeira reunião negocial da nova equipa.

O ministro reafirmou o compromisso assumido antes das eleições de 10 de março, prometendo devolver o tempo de serviço ao longo de cinco anos, ou seja, contabilizando anualmente 20% dos seis anos, seis meses e 23 dias congelados durante o período da ‘troika’.

Em resposta, a Federação Nacional de professores (Fenprof) já recusou a proposta da tutela, exigindo uma recuperação mais rápida, feita em apenas três anos (33% ao ano) e com garantias de que no final do processo todos os docentes terão recuperado os nove anos, quatro meses e dois dias – total do tempo em que a carreira esteve congelada –, independentemente de estarem no ativo ou já estarem aposentados.

Na sua primeira intervenção no parlamento, o ministro considerou “urgente encontrar uma resposta à justa reivindicação dos professores”, sublinhando que a instabilidade vivida nas escolas “tem de ser ultrapassada rapidamente”.

A primeira reunião com as organizações sindicais dará assim início à negociação de uma das principais reivindicações dos docentes.

Além do ministro estarão também presentes nas reuniões o secretário de Estado Adjunto e da Educação, Alexandre Homem Cristo, o secretário de Estado da Administração e Inovação Educativa, Pedro Dantas da Cunha, e a secretária de Estado da Administração Pública, Marisa Garrido.

Durante a manhã de 18 de abril serão recebidos a ASPL – Associação Sindical de Professores Licenciados, FENEI – Federação Nacional de Educação e Investigação, FEPECI – Federação Portuguesa dos Profissionais de Educação, Ensino, Cultura e Investigação, Pró-Ordem dos Professores e SEPLEU – Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados.

As reuniões da tarde serão com o SIPE – Sindicato Independente de Professores e Educadores, o SIPPEB – Sindicato dos Educadores e Professores do Ensino Básico, o SNPL – Sindicado Nacional dos Professores Licenciados, o SPLIU – Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades e o STOP – Sindicato de Todos Os Professores.

Na sexta-feira, dia 19, será a vez de a equipa do ministério receber a Federação Nacional de Educação e a Fenprof.

A Fenprof vai aproveitar o encontro para entregar um protocolo negocial com outras propostas relacionadas, por exemplo, com o fim das vagas de acesso aos 5.º e 7.º escalões, incentivos à fixação de docentes e a dedução de despesas em sede de IRS.

Fonte: Lusa

Miranda do Douro: Animação dos monumentos da cidade

Miranda do Douro: Animação dos monumentos da cidade

Para assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se assinala a 18 de abril, o Município de Miranda do Douro programou várias atividades, como um peddy paper, visitas guiadas ao centro histórico, concertos e a animação pelas ruas da cidade.

De acordo com a presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril, na cidade existem monumentos de grande valor histórico, cultural e arquitetónico, com destaque para a concatedral e o antigo paço episcopal.

“Em 1545, com a elevação de Miranda à categoria de cidade e sede de diocese, a construção da catedral iniciou-se em 1552, por ordem do rei D. João III. A antiga Sé é sem dúvida, o monumento mais representativo da nossa história”, disse.

No âmbito religioso, para além da concatedral, a autarca de Miranda do Douro sugeriu ainda visitas às igrejas da Misericórdia e de Santa Cruz, templos também construídas no centro histórico.

“Entre o património arquitetónico, outro destaque são as muralhas e as ruínas do castelo de Miranda, com as antigas portas da cidade, uma fortaleza construída durante o reinado de Dom Dinis (1279-1325)”, disse.

Séculos mais tarde, no decurso da Guerra dos Setes Anos e num momento em que os mirandeses tentavam resistir às investidas das tropas espanholas, o paiol do Castelo de Miranda explodiu, em maio de 1762, naquela que ficou conhecida com a Guerra do Mirandum.

“A Câmara Municipal de Miranda do Douro vai promover de 17 a 19 de maio a recriação histórica da Guerra do Mirandum. Com este evento pretende-se recordar o importante papel desta cidade na defesa do território de fronteira”, justificou.

Para além dos monumentos religiosos e militares, Helena Barril, indicou outros edificados de grande valor arquitetónico como o Antigo convento dos Frades Trinos, onde foi instalada a biblioteca municipal. A antiga Alfândega, onde funciona a Casa da Cultura Mirandesa. Ou a antiga escola primária, onde está sediada a Casa da Música Mirandesa.

Em Miranda do Douro, as visitas guiadas aos monumentos são gratuitas, sendo no entanto necessária a prévia inscrição, que pode ser feita através do email: cultura@cm-mdouro.pt ou presencialmente no edifício das Quatro Esquinas, localizado na Rua da Costanilha.

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi instituído em 18 de abril de 1982, com o propósito de chamar a atenção do público para a diversidade do património e sensibilizar para a sua proteção e conservação.

HA