Covid-19: Lares da Misericórdia e de Palaçoulo registam infeções

O lar do Senhor da Misericórdia e o lar de Palaçoulo, tutelados pela Misericórdia de Miranda do Douro, estão a ser afetados por surtos do coronavírus, entre utentes e funcionários”, informou a provedora da Instituição.

O número de mortes associadas à covid-19 no Lar da Misericórdia de Miranda do Douro subiu para 11 e todos os 61 utentes estão infetados pelo SARS-CoV-2

O lar de Palaçoulo, tutelado pela Misericórdia de Miranda do Douro, tem 30 pessoas infetadas pelo novo coronavírus, entre utentes e funcionários”, informou a provedora da Instituição.

Segundo a responsável, há idosos com “sintoma ligeiros”, mas a maioria está “estável”.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.979.596 mortos resultantes de mais de 92,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.236 pessoas dos 507.108 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa |HA

1 comentário em “Covid-19: Lar do Senhor da Misericórdia e Lar de Palaçoulo registam infeções”

  1. Boa tarde
    É escandaloso que o Lar da Misericórdia de Palaçoulo esteja sem telefone fixo para contato dos familiares com a responsável da instituição, não se conseguir qualquer informação e ontem de manhã o meu sogro caiu, rachou a cabeça, foi levado para o Hospital de Bragança, onde foi suturado e fizeram TAC? , não sabemos bem porque a família ficou a saber por um médico amigo do meu sobrinho reconheceu o meu sogro e lhe telefonou, caso contrário não sabíamos de nada. No hospital fizeram o teste ao Covid 19, que deu negativo. Mandaram o meu sogro de volta para o lar e ele com Covid negativo, a pagar por um quarto individual, foi colocado num quarto com um utente com Covid positivo. Os utentes do lar tinham sido todos testados menos 3, sendo um deles o meu sogro. porquê? E a família não devia ser contatada nesta situação, pois perante o cenário, poderia procura outras opções para o bem estar dele. O responsável pelo meu sogro no lar devia ter sido consultado e saber se dava consentimento que ele regressasse ao lar, se consentia que o pai negativo para Covid 19 partilhasse o quarto com um utente Covid 19 positivo, bem como a alteração da modalidade de quarto sozinho para quarto partilhado. Afinal, se calhar, as linhas telefónicas não estão avariadas, não quererão é atender as chamadas dos familiares.
    Eventualmente, se o meu sogro contrair Covid 19 pode-se considerar o lar responsável de crime de propagação de doença infeciosa grave e ofensa à integridade física grave.
    (nora do Sr. João Bernardo Moreno)

    Responder

Deixe um comentário