XXI DOMINGO DO TEMPO COMUM 

Servir

Jos 24, 1-2a.15-17.18b / Slm 33 (34), 2-3.16-23 / Ef 5, 21-32 / Jo 6, 60-69

Josué, na sua velhice, pede ao povo de Israel que clarifique a sua atitude para com o único Deus verdadeiro. Parece incrível, mas é assim a nossa realidade humana: cansamo-nos do bem e da verdade e somos seduzidos por ídolos, divindades falsas, absolutos criados à nossa imagem, salvadores de ficção. Deixemos que Josué nos interpele hoje a nós: «Se não vos agrada servir o Senhor, escolhei hoje a quem quereis servir… Eu e a minha família serviremos o Senhor».

Felizmente existem muitos «Josués» na nossa vida, que, pela palavra e pelo exemplo, nos interpelam a seguir pelo bom caminho da fé, da esperança e da caridade. Não é verdade que os outros que vivem a meu lado precisam que eu seja «Josué» para eles, estimulando-os a serem sempre melhores, mais fiéis a Deus amor?

São Paulo, partindo da mentalidade do seu tempo, dá orientações práticas para cumprir o mandamento fundamental de Cristo: «Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei». Assim, as relações humanas não podem ser um jogo de poder, tentando cada um impor-se aos outros. Ser submisso é dar importância e valor mesmo aos que são desconsiderados e descartados socialmente. Amando o nosso próximo, para além do bem que lhe fazemos, estamos também a ser benfeitores de nós mesmos, porque os outros fazem parte de nós. Acredito que só posso ser grande e importante na medida em que colaborar para que os outros sejam grandes e importantes no amor?

O Evangelho apresenta-nos a conclusão do discurso que Jesus fez, na sinagoga de Cafarnaum, sobre o pão da vida, sobre a Eucaristia. É a ocasião da heresia de muitos dos seus ouvintes, os mesmos que queriam levar Jesus triunfalmente como rei, pois tinham sido testemunhas do milagre da multiplicação dos pães e dos peixes. Mas, quando Jesus lhes falou da Eucaristia, do «pão vivo descido do céu», desistiram de ser cristãos: «A partir de então, muitos dos discípulos afastaram-se e já não andavam com Ele». Queriam ser cristãos para participar em atos solenes de deslumbramento, mas não cristãos eucarísticos, de um Deus humilde que se serve em pão. Dêmos graças a Deus, porque estamos do lado de Pedro, e do seu atual sucessor, Francisco, confessando a nossa fé em Cristo eucarístico: «A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós acreditamos e sabemos que Tu és o Santo de Deus».

(Meditação diária no site da Rede Mundial do Apostolado da Oração)

https://www.redemundialdeoracaodopapa.pt/meditacao-diaria/1415

Deixe um comentário