Ucrânia: Trezentos alunos ucranianos já estão inscritos oficialmente em escolas portuguesas – ministro

Trezentos estudantes ucranianos fugidos da guerra estão inscritos oficialmente nas escolas portuguesas, e estão “a chegar mais”, segundo um balanço feito pelo ministro da Educação.

A guerra na Ucrânia provocou a fuga de 1,5 milhões de estudantes ucranianos, a maior parte para os países vizinhos, disse Tiago Brandão Rodrigues, após uma reunião dos ministros da Educação da União Europeia e na qual participou também o ministro da Educação da Ucrânia.

Na reunião com os ministros da União Europeia (UE), por videoconferência, o ministro ucraniano falou da importância da condenação da invasão russa por parte dos Estados membros da UE e da importância da ajuda à Ucrânia, também no setor da educação.

Tiago Brandão Rodrigues informou ainda que permanecem na Ucrânia mais seis milhões de crianças e jovens em idade escolar, pelo que as autoridades ucranianas estão a tentar reativar o sistema de ensino, seja presencialmente em zonas de não conflito, seja online em regiões sujeitas a ataques russos.

De acordo com o ministro português, a Comissão Europeia vai constituir uma ‘task force’ de alto nível, com reuniões semanais, para definir formas de ajuda ao sistema de ensino na Ucrânia, mas também formas de apoio aos que fogem do país. Segundo a Comissão há mecanismos europeus de financiamento que podem ser usados para estas medidas de apoio, disse Tiago Brandão Rodrigues.

O ministro salientou a importância de a UE trabalhar a uma “só voz” na inclusão dos jovens estudantes ucranianos e recordou que Portugal é dos países da UE que menos estudantes recebeu, até por ser o país do grupo dos 27 mais distante da Ucrânia.

Questionado pelos jornalistas, o ministro disse que as escolas portuguesas (algumas até com aulas de ucraniano) estão preparadas para receber os alunos refugiados, preparando-os para uma primeira aproximação à língua portuguesa para que depois, paulatinamente, entrem no currículo geral.

Todos os alunos ucranianos beneficiam da ação social escolar, com todos os benefícios, disse o ministro, acrescentando que o setor social e solidário também está “a trabalhar” para uma resposta em relação a crianças mais novas, para que possam frequentar creches.

A videoconferência, informal, dos ministros da Educação serviu para os ministros discutirem uma resposta coordenada da UE à guerra na Ucrânia em matéria de educação.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 726 mortos e mais de 1.170 feridos, incluindo algumas dezenas de crianças, e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, entre as quais três milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário