Ucrânia: Papa alerta para martírio de «povo heroico» por causa de jogos de «interesses globais»

O Papa disse que o “povo heroico” da Ucrânia está a ser vítima de uma guerra de “interesses globais”, apelando para que se supere uma visão que reduz a realidade a “bons e maus”.

“O que está perante os nossos olhos é uma situação de guerra mundial, de interesses globais, de venda de armas e de apropriação geopolítica, que está a martirizar um povo heroico”, referiu Francisco, em conversa com os diretores das revistas culturais europeias da Companhia de Jesus (Jesuítas), incluindo a ‘Brotéria’, de Portugal.

A audiência, na biblioteca privada do Palácio Apostólico, decorreu a 19 de maio.

Questionado sobre a guerra na Ucrânia, o Papa sustentou que é necessário rejeitar “o padrão normal do ‘Capuchinho Vermelho’”.

“Aqui não há bons e maus em termos metafísicos, de uma forma abstrata. Algo de global está a emergir, com elementos que estão muito interligados”, precisou.

Francisco citou, a este respeito, um encontro que teve, antes da guerra, com um chefe de Estado, o qual deixava alertas sobre “a forma como a NATO se estava a mover”, face às conceções “imperiais” da Rússia.

O Papa sublinhou que o conflito é “monstruoso”, desafiando a olhar para “o drama que se está a desenrolar por detrás desta guerra, que talvez tenha sido de alguma forma provocada ou não impedida”.

“Aquilo a que estamos a assistir são a brutalidade e a ferocidade com que esta guerra está a ser levada a cabo pelas tropas, geralmente mercenárias, utilizadas pelos russos. E os russos preferem, de facto, colocar na linha da frente chechenos, sírios, mercenários”, acrescentou.

“Alguém me poderia dizer neste momento: mas o Papa é pró-Putin! Não, não sou. Seria simplista e errado dizer uma coisa desse género. Sou simplesmente contra a redução da complexidade à distinção entre os bons e os maus sem raciocínio sobre as raízes e interesses, que são muito complexos. Enquanto assistimos à ferocidade, à crueldade das tropas russas, não devemos esquecer os problemas, a fim de tentar resolvê-los”.

Francisco sublinha que os russos encontraram na Ucrânia “um povo corajoso, um povo que luta pela sobrevivência e que tem uma história de luta na sua própria história”.

A conversa abordou outos conflitos, com que “ninguém se importa”.

“Gostaria que as vossas revistas abordassem o lado humano da guerra. Gostaria que as vossas revistas fizessem as pessoas compreender o drama humano da guerra. É muito bom fazer um cálculo geopolítico, estudar as coisas em profundidade. Têm de o fazer porque é a vossa missão. Mas procurem também transmitir o drama humano da guerra”, pediu aos responsáveis jesuítas, incluindo o padre José Frazão Correia, da ‘Brotéria’.

Um responsável do Ministério russo dos Negócios Estrangeiros afirmou que o país mantém um “diálogo aberto e reservado” com o Vaticano sobre o conflito na Ucrânia.

Alexey Paramonov sublinhou, em entrevista, que a Santa Sé já se disponibilizou para “fornecer todo o tipo de ajuda para alcançar a paz e colocar fim às hostilidades na Ucrânia”.

Fonte: Ecclesia

Deixe um comentário