Sociedade: Cerimónias fúnebres de Adriano Moreira no Mosteiro dos Jerónimos

O velório de Adriano Moreira, que morreu este Domingo, dia 23 de outubro, aos 100 anos, está marcado para esta segunda-feira, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, a partir das 20:00.

Fonte oficial do CDS-PP adiantou que as cerimónias fúnebres do antigo presidente do partido começam esta segunda-feira, dia 23 de outubro e prolongam-se até terça-feira, dia em que terminam com o funeral reservado à família.

Esta segunda-feira, a partir das 20:00, decorre o velório no Mosteiro dos Jerónimos. No dia seguinte, vai celebrar-se a missa às 12:00.

Segue-se o funeral que será reservado à família de Adriano Moreira, de acordo com a mesma fonte.

Adriano Moreira foi ministro do Ultramar no período da ditadura (1961-1963) e deputado e presidente do CDS-PP já na democracia, mantendo sempre a ligação à universidade e à reflexão em matéria de Relações Internacionais.

Com 100 anos completados a 6 de setembro passado, foi condecorado pelo Presidente da República em junho com a Grã-Cruz da Ordem de Camões.

Adriano Moreira, que morreu hoje com 100 anos, foi ministro do Ultramar no período da ditadura e presidente do CDS já em democracia, tornando-se uma das figuras mais prestigiadas dos séculos XX e XXI. 

Condecorado pelo Presidente da República em junho com a Grã-Cruz da Ordem de Camões, antes de completar 100 anos em 06 de setembro, destacou-se não só como político e estadista, mas também como professor universitário e pensador em matéria de Relações Internacionais.

Ex-membro do Conselho de Estado indicado pelo CDS-PP, Adriano Moreira teve um percurso académico e político dividido entre dois regimes, tendo sido ministro do Ultramar no Estado Novo, de 1961 a 1963, e presidente do Centro Democrático e Social (CDS) em democracia, de 1986 a 1988.

Professor universitário com dezenas de obras publicadas, fortemente ligado ao atual Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), que dirigiu e ajudou a reformar antes do 25 de Abril, foi também deputado, entre 1980 e 1995, e vice-presidente da Assembleia da República no seu último mandato parlamentar.

“A minha vida foi a escola, sobretudo. A intervenção política foi mais por obrigação cívica”, afirmou Adriano Moreira, numa entrevista à agência Lusa, em 2012.

Adriano José Alves Moreira nasceu em Grijó, Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança, em 06 de setembro de 1922, filho de António José Moreira, que foi subchefe da Polícia de Segurança Pública (PSP) no porto de Lisboa, e de Leopoldina do Céu Alves.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário