Reportagem: Delegados do PSD dizem que partido está unido e acreditam na vitória eleitoral

Os delegados do 39.º Congresso do PSD acreditam que o partido está unido e vai ganhar as próximas legislativas, deixando nas mãos de Rui Rio a decisão quanto a um acordo com o PS para garantir a governabilidade.

“Julgo que há todas as condições para o PSD sair daqui mais forte e mais unido para ganhar as próximas eleições legislativas”, disse Augusto Lima, de Famalicão, à entrada para o Europarque de Santa Maria da Feira (Aveiro), onde decorreu no passado fim-de-semana a reunião magna social-democrata.

No caso de não haver uma maioria absoluta, este militante entende que o PSD “deve criar condições para que haja governabilidade”.

“Também esperamos que, se o PS não ganhar com maioria absoluta, conte com o PSD para poder governar”, acrescentou.

A mesma opinião foi manifestada por Carlos Portela ao afirmar que, para haver “governabilidade no país”, o PSD “deve apoiar o Governo do PS”.

“Nós temos que ter governabilidade no país e acho que seria importante a eleição de um Governo seja ele qual for”, afirmou este militante, que veio de Amares, distrito de Braga.

A deputada Fernanda Velez, eleita pelo círculo de Setúbal, também manifestou a convicção de que o PSD está unido e vai ganhar as eleições sem precisar de qualquer outro partido.

“Nós somos um grande partido, somos um partido da oposição, temos que ser responsáveis e temos que ganhar as eleições. Portanto, só temos que estar unidos”, declarou.

Adélia Oliveira, de 77 anos, admitiu a existência de divergências internas, mas considerou que o PSD está unido e vai ganhar as legislativas, deixando nas mãos de Rui Rio, de quem afirmou ser uma “grande fã”, a decisão de apoiar ou não um Governo do PS para assegurar a estabilidade governativa.

“Isso está na mão do líder e não queria falar sobre isso. Eu não gosto muito do PS, mas se for para bem de Portugal…”, disse esta congressista, que veio da Póvoa do Varzim.

Cristina Miguel, de Vimioso, também defendeu que a decisão de apoiar ou não um Governo socialista cabe ao presidente do PSD.

“Penso que o presidente do partido irá decidir pelo melhor, pelo partido e pelo país, como sempre fez até aqui. Penso que vai correr bem. Não há de haver necessidade de uma segunda opção, porque acho que a primeira opção vai ser ganhar obviamente”, afirmou.

Marco Soares, de 42 anos, que veio de Amares, disse que o partido está “galvanizado” e que o congresso “vai unir ainda mais o partido em relação às eleições que se aproximam”.

Já quanto à possibilidade de não haver uma maioria absoluta, entende que é um cenário que só deve ser colocado depois das eleições.

“Penso que estamos aqui para ganhar e é neste caminho que temos que trabalhar e avançar para a frente tendo em conta a vitória. É este cenário que temos que colocar. Depois, os cenários a seguir, logo vemos”, afirmou.

O Congresso do PSD decorreu de 17 a 19 de dezembro no Europarque, em Santa Maria da Feira, e reuniu cerca de 1.000 delegados participantes.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário