Política: Ministra da Coesão Territorial desanimada com a dificuldade em deslocalizar serviços para o interior

A ministra da Coesão Territorial mostrou-se dececionada com a impossibilidade de deslocalizar serviços, criticando a instalação, em Lisboa, da Europa Startup Aliança das Nações.

A nova estrutura de empreendedorismo Europa Startup Aliança das Nações, anunciada pelo primeiro-ministro para a capital, foi tema de discussão pela voz do deputado do PSD, Jorge Paulo Oliveira, que lembrou o discurso do Governo de “luta contra o centralismo de Lisboa” e questionou a ministra da Coesão Territorial sobre a localização deste novo espaço, procurando saber “porquê em Lisboa”.

Em resposta, Ana Abrunhosa indicou que também faz a mesma pergunta, acrescentando que não vê “nenhuma razão” para que esteja em Lisboa e não noutro território do país, argumentando que, se é preciso um aeroporto, há em Beja, em Faro, no Porto e também se vai de avião para Bragança e Viseu.

A 19 de março, o primeiro-ministro, António Costa, disse no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, durante a abertura de uma conferência dedicada ao “Dia Digital” no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, que seria lançada “uma nova estrutura europeia de empreendedorismo – a Europe Startup Nations Alliance -, uma ferramenta de concretização do desígnio europeu nesta área” a ser “localizada em Lisboa”.

Dias depois, o vice-presidente da bancada parlamentar do PS, Carlos Pereira, defendeu que deve equacionar-se a localizar fora de Lisboa a nova estrutura de empreendedorismo Europa Startup Aliança das Nações.

De acordo com a ministra da Coesão Territorial, não há qualquer motivo para se instalar o que quer que seja de novo, em Lisboa. Ana Abrunhosa, disse entender que é difícil de, um momento para o outro, dizer a uma família ‘agora pega nas malas e vai viver para Castelo Branco’. É muito difícil, reconheceu a ministra, mas “há maneira de o fazer”, declarou a titular da pasta da Coesão Territorial.

Mostrando –se dececionada com a lista de serviços a deslocalizar, que considera insignificante, Ana Abrunhosa expressou a necessidade de mudar esta cultura e atitude centralizadora e castradora de qualquer vontade de querer fazer diferente, para que a qualidade de vida das pessoas melhore”.

“Há serviços que estariam muito melhor fora de Lisboa, porque as rendas são muito mais baratas e a qualidade de vida é muito melhor”, indicou Ana Abrunhosa.

Neste momento, o Ministério da Coesão Territorial está a trabalhar com o município de Portalegre para fazer as infraestruturas para a Escola Nacional da Guarda Nacional Republicana (GNR) e tem já um local identificado no município da Guarda para criar o centro de excelência para todos os arquivos.

Lusa | HA      

 

Deixe um comentário