Pandemia: Terras de Trás-os-Montes recomenda a não realização de eventos com muitas pessoas

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes informou que continua a recomendar a não realização de eventos com grande concentração de pessoas, numa altura em que há várias iniciativas marcadas na região.

A CIM -TT abrange nove dos 12 concelhos do distrito de Bragança, onde estão anunciadas para as próximas semanas iniciativas como a Festas das Amendoeiras em Flor, em Freixo de Espada à Cinta, o Festival do Butelo e das Casulas, em Bragança, ou o Entrudo Chocalheiro dos Caretos de Podence, em Macedo de Cavaleiros.

A CIM Terras de Trás-os-Montes, da qual fazem parte, por exemplo os concelhos de Bragança e Macedo de Cavaleiros, fez saber que o Conselho Intermunicipal deliberou, por unanimidade, manter até ao dia 15 de março a “recomendação para a não realização de iniciativas não passíveis de controlo”.

O secretário executivo da comunidade intermunicipal, Rui Caseiro, explicou à Lusa que se trata de “uma recomendação e não da proibição”, como aconteceu nas posições assumidas nas fases mais críticas da pandemia de covid-19.

Segundo disse, a recomendação visa iniciativas “que impliquem uma grande concentração de pessoas e consequentemente dificultem ou impossibilitem o controlo sanitário, criando condições favoráveis para a propagação do vírus” SARS-CoV-2.

No caso da realização de eventos, a CIM “apela também à população e entidades organizadoras que respeitem todas as normas sanitárias em vigor” nos nove concelhos que representa, concretamente Alfândega da Fé, Bragança, Mirandela, Macedo de Cavaleiros, Vinhais, Vimioso, Vila Flor, Mogadouro e Miranda do Douro.

Esta entidade justifica que, “apesar de nos últimos dias a situação ter conhecido uma evolução mais favorável, o Conselho Intermunicipal entende ainda ser prematuro avançar para a realização de eventos de grande envergadura não passíveis de controlo”.

A CIM esclarece ainda que esta decisão de recomendar a não realização de eventos com grande concentração de pessoas, até 15 de março, é “passível de revisão sempre que a situação se alterar”.

A covid-19 provocou pelo menos 5,77 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 20.401 pessoas e foram contabilizados 3.025.421 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário