Pandemia: Baixas por covid aumentaram 160%

As baixas por covid-19 dispararam 160% nos primeiros 21 dias de dezembro face ao mês anterior de novembro, ainda antes de Portugal ter atingido os níveis mais elevados de sempre de novos infetados, segundo dados oficiais.

Os dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social referentes a dezembro, disponibilizados à Lusa, não abrangem ainda a semana entre o Natal e o Ano Novo, quando se registaram picos no número de novos infetados pelo novo coronavírus.

Ainda assim, os subsídios por doença covid-19 totalizaram 23.100 nos primeiros 21 dias de dezembro, face a 8.900 em todo o mês de novembro e 6.700 em outubro.

Segundo fonte oficial, foram pagos 6,6 milhões de euros em baixas por covid-19 nos primeiros 21 dias de dezembro, o que compara com 2,5 milhões de euros em novembro e 2,0 milhões de euros em outubro.

O número de baixas por covid-19 nos primeiros 21 dias de dezembro ainda está longe do verificado há um ano, em dezembro de 2020, quando foram emitidos 77.700 subsídios e gastos 23,2 milhões de euros, mas é preciso ter em conta que os dados disponibilizados agora pelo ministério não integram os últimos dias de 2021.

O valor mais elevado de novos infetados desde o início da pandemia registou-se precisamente em 31 de dezembro de 2021, com 30.829 novos casos, totalizando então 178.712 casos ativos.

Atualmente o número de casos ativos é superior a 213 mil, segundo os dados da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Os dados do ministério do Trabalho revelam ainda que em dezembro (até dia 21) o número de subsídios de isolamento profilático totalizou 14,9 mil (face a 10,8 mil em novembro e a 15,8 mil em outubro), o que compara com 55,7 mil em dezembro de 2020.

Já os subsídios de isolamento profilático por assistência a filho ou neto ascenderam a 18,6 mil nos primeiros 21 dias de dezembro (11,9 mil em novembro e 9,3 mil em outubro).

Sobre o apoio excecional à família, que foi reativado na última semana de 2021 e na primeira semana de 2022 devido ao encerramento das creches e das escolas, o gabinete indicou que o formulário para pedir o apoio já foi descarregado 51 mil vezes, não indicando, porém, o número de pedidos efetuados.

Portugal registou 25.836 novas infeções com o coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, mais 15 mortes associadas à covid-19 e um novo aumento dos internamentos, segundo a DGS.

O boletim epidemiológico diário da DGS regista um crescimento do número de pessoas internadas, contabilizando hoje 1.203 internamentos, mais 36 do que na segunda-feira, 147 dos quais em unidades de cuidados intensivos, mantendo-se este número nas últimas 24 horas.

Os casos ativos voltaram a aumentar nas últimas 24 horas, totalizando 213.749, mais 5.890 do que na segunda-feira, e recuperaram da doença 19.931 pessoas, o que aumenta o total nacional de recuperados para 1.227.642.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário