Legislativas: Mirandeses apresentaram aos candidatos a deputados as exigências para o concelho

Os candidatos do PSD à Assembleia da República estiveram em Miranda do Douro, Sendim e Palaçoulo, na tarde de 25 de janeiro, para realizar a campanha eleitoral e escutar as exigências dos mirandeses, que solicitaram a conclusão do IC5, o pagamento dos impostos das barragens e o alargamento do horário do centro de saúde.

Após a campanha em Vimioso, os candidatos sociais-democratas seguiram para Miranda do Douro, onde almoçaram com os dirigentes do PSD locais.

Em Miranda do Douro, Adão Silva, o cabeça de lista à Assembleia da República, referindo-se às demandas da população local, indicou que a maior exigência é o pagamento dos impostos pela venda da concessão das barragens do Douro Internacional, com a criação do fundo de compensação para os municípios.

O candidato a deputado, indicou ainda a conclusão do IC5 até Miranda do Douro, dizendo não compreender porque razão a obra foi interrompida em Duas Igrejas.

Adão e Silva, destacou ainda a urgência no financiamento das obras de ampliação e remodelação do Museu da Terra de Miranda, localizado em Miranda do Douro.

“A ampliação e requalificação do Museu da Terra de Miranda é uma urgência, para que possa albergar um vasto espólio, que merece ser exposto e visitado e que é uma salvaguarda da identidade cultural deste território”, disse.

Questionada sobre o que vai exigir a um governo do PSD, caso o partido vença as eleições legislativas de 30 de janeiro, a presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril, disse que vai pedir mais atenção para o interior do país.

“Não podemos continuar a ser tratados desta forma desleixada, lenta e vagarosa como temos sido nos últimos anos”, criticou.

A presidente do município de Miranda do Douro indicou que a conclusão do IC5 até a Espanha é uma das medidas mais aguardadas pela população.

“Se o PSD for governo, como esperamos, as nossas reivindicações vão receber outra atenção, seja na conclusão do IC5, mas também no alargamento do horário de serviço dos centros de saúde e no pagamento dos impostos decorrente da venda da concessão das barragens de Miranda do Douro e de Picote”, disse.

Por sua vez, Nuno Rodrigues, presidente da concelhia do PSD de Miranda do Douro, disse que a primeira reivindicação a ser apresentada ao próximo governo será a conclusão do IC5, com a ligação a Espanha.

No caso do PSD ser a força política mais votada nas eleições de 30 de janeiro e portanto convidado para formar governo, Nuno Rodrigues, disse esperar que os dirigentes socais-democratas cumpram aquilo que estão a exigir ao atual governo socialista, sobre o negócio da venda da concessão das barragens de Miranda do Douro e de Picote.

“Que o novo governo faça cumprir à EDP o pagamento dos impostos (IMI, IMT, Imposto do Selo e Derrama) pela venda da concessão das barragens e os imóveis que integram os dois complexos hidroelétricos edificados no concelho de Miranda do Douro”, disse.

“Que o novo governo faça cumprir à EDP o pagamento dos impostos (IMI, IMT, Imposto do Selo e Derrama) pela venda da concessão das barragens e os imóveis que integram os dois complexos hidroelétricos edificados no concelho de Miranda do Douro”, disse.

O presidente da freguesia de Picote, Jorge Lourenço, corroborou da mesma opinião, dizendo que “o próximo governo deve obrigar as entidades a pagar os impostos, da mesma maneira que qualquer cidadão o faz”. Segundo o autarca, o dinheiro desses impostos poderá ser importante para dar um novo desenvolvimento à região da Terra de Miranda.

Luís Santiago, presidente da União de Freguesias de Sendim e Atenor, também exigiu o pagamento dos impostos pela venda da concessão das barragens. Segundo o autarca sendinês, há investimentos como a construção do matadouro intermunicipal e a modernização da cooperativa Ribadouro, que poderiam avançar mais rapidamente com o pagamento desses impostos à região.

HA

Deixe um comentário