Cultura: Concatedral de Miranda do Douro oferece recital de órgão

No próximo sábado, dia 28 de agosto, às 16h00, a Concatedral de Miranda do Douro vai oferecer aos visitantes um concerto seguido de uma visita comentada ao órgão do século XVIII.

O convidado do recital é Rui Pedro Valdemar, diretor de música sacra da Reitoria da Igreja de S. Roque, em Lisboa e pós-graduado em Musicologia Histórica.

De acordo com diretora do Museu da Terra de Miranda (MTM), Celina Pinto, que tutela a Concatedral de Miranda do Douro, estes recitais são muito desejados quer para acompanhar a liturgia, quer para a realização de concertos. No entanto, Celina Pinto indicou que nesta região há falta de profissionais com competências para tocar um órgão desta envergadura.

Para além disso, a diretora do museu, referiu que o órgão está desafinado e precisa de verba financeira para realizar a sua afinação musical. “Era meu gosto que o órgão funcionasse a tempo inteiro”, disse a diretora do MTM.

A Concatedral de Miranda do Douro recebeu recentemente o prémio de turismo “Travelers’ Choice 2021” do TripAdvisor, o que faz deste templo uma das atrações mais visitadas de todo o mundo.

A concatedral insere-se na tipologia de Sés mandadas construir por D. João III, cujas obras se iniciaram em 1552. Este templo tem uma fachada harmónica – em que um corpo central é ladeado por duas poderosas torres -, e um interior em três naves abobadadas à maneira gótica, com cruzaria de ogivas de nervuras visíveis.

O retábulo-mor é uma obra seiscentista, terminada em 1614, e deve-se ao trabalho de Gregório Fernández, mestre galego radicado em Valladolid e responsável por uma oficina bastante ativa durante o período maneirista.

Igualmente digno de nota é o retábulo de Nosso Senhor da Piedade, em talha barroca de boa qualidade.

O órgão do século XVIII é profusamente decorado com talha dourada.

HA

Deixe um comentário