Bragança-Miranda: D. José Cordeiro despede-se da diocese com mensagem de gratidão

D. José Cordeiro presidiu a uma Missa de ação de graças pelo seu ministério na Diocese de Bragança-Miranda, deixando uma mensagem de gratidão à Igreja local, uma semana antes de assumir a missão de arcebispo de Braga.

“Agradeço de todo o coração a D. António Montes, ao presbitério, aos diáconos, às pessoas consagradas, a todas as leigas e leigos nas paróquias das unidades pastorais, nos organismos de comunhão e corresponsabilidade sinodal, nos serviços diocesanos, nos movimentos e grupos eclesiais. Muito obrigado pelo vosso testemunho de fé, de esperança e de caridade”, disse, numa homilia enviada à Agência ECCLESIA.

“A gratidão é igualmente para todas as autoridades autárquicas, civis, académicas, forças de segurança e proteção, órgãos de comunicação social e paras todas as instituições, sobretudo, a Cáritas, as Fundações e Centros sociais paroquiais, e as Misericórdias pela sua cooperação recíproca”, acrescentou.

A celebração decorreu na Catedral de Bragança, tendo concelebrado D. António Montes Moreira (bispo emérito de Bragança-Miranda) e D. Fernando Sanchez (bispo da Diocese de Zamora, Espanha).

A Eucaristia contou com a participação de membros do clero, Institutos de Vida Consagrada, serviços da pastoral, entidades civis e representantes das comunidades católicas.

“No serviço do ministério episcopal na nossa amada Diocese de Bragança-Miranda procurei doar-me como peregrino do Evangelho da Esperança, para mostrar os mistérios de Cristo”, disse D. José Cordeiro

A intervenção deixou uma palavra especial para “todas as crianças, adolescentes, jovens e adultos, sobretudo dos mais velhos, dos pobres, dos reclusos, dos migrantes, das pessoas com deficiência, das minorias étnicas e de todas as outras periferias existenciais que são invisíveis”.

“Suplico a Deus, por mediação da Senhora das Graças, de São José e de São Bento, por todos e cada um. Rezai por mim e rezemos juntos, para que em breve Deus conceda a Bragança-Miranda um bom bispo”, apelou, despedindo-se com um “até sempre”.

O responsável foi ordenado padre a 16 de junho de 1991; até 1999 foi pároco, formador no seminário da diocese transmontana e capelão do Instituto Politécnico de Bragança, foi vice-reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, entre 2001 e 2005, ano em que foi nomeado reitor da instituição, onde se manteve até à sua nomeação para a Diocese de Bragança-Miranda, a 18 de julho 2011, pelo Papa Bento XVI; foi ordenado bispo a 2 de outubro do mesmo ano.

A 3 de dezembro de 2021, foi escolhido pelo Papa Francisco como sucessor de D. Jorge Ortiga para a Arquidiocese de Braga.

D. José Cordeiro escreveu uma mensagem à Diocese de Bragança-Miranda, da qual continua a ser administrador diocesano, confessando “um misto de gratidão e saudade”.

O bispo cita, no documento, o escritor Miguel Torga: “Foi desta realidade que parti, e é a esta realidade que regresso sempre, por mais voltas que dê nos caminhos da vida”.

A mensagem agradece a toda a comunidade católica pelo “testemunho de fé, de esperança e de caridade”, estendendo a gratidão às várias autoridades e instituições locais.

“Suplico a Deus, por mediação da Senhora das Graças, de São José e de São Bento, por todos e cada um. Rezai por mim e rezemos juntos, para que em breve Deus conceda a Bragança-Miranda um novo bispo”, referiu.

A tomada de posse e início do ministério episcopal de D. José Cordeiro em Braga estão marcados para 12 e 13 de fevereiro, respetivamente.

Fonte: Ecclesia

Deixe um comentário