Ambiente: Separação do lixo cresceu 15% no primeiro semestre no nordeste transmontano

A recolha seletiva de resíduos aumentou 15% no primeiro semestre de 2021, no nordeste transmontano, tendo sido recolhidas mais duas toneladas de lixo devidamente separado para reciclagem, divulgou a empresa intermunicipal responsável pelo processo.

A empresa Resíduos do Nordeste gere a recolha e o tratamento do lixo, produzido nos 12 concelhos do distrito de Bragança, e no de Vila Nova de Foz Côa (Guarda), com um parque ambiental e um aterro sanitário em Urjais, na região de Mirandela.

A empresa intermunicipal revelou que a aposta na separação de resíduos está a ser bem sucedida, registando-se um aumento de 15% em toda a região, o que significa “1.781 toneladas de materiais recicláveis, recolhidos seletivamente”.

O maior incremento ocorreu no vidro, com mais 20%, seguindo-se o plástico, com um aumento de 14% e 13% no papel/cartão, segundo os dados divulgados.

O presidente da empresa intermunicipal, Hernâni Dias, encara “com uma grande satisfação o modo como os cidadãos estão a aderir aos serviços de recolha seletiva disponibilizados”.

O responsável considera que “os investimentos que a Resíduos do Nordeste está a fazer, começam a ter resultados na quantidade de materiais recolhidos”.

Hernâni Dias entende que o aumento da separação do lixo “não está dissociado dos investimentos em curso, no valor de 6,5 milhões de euros, na recolha seletiva, sensibilização ambiental e gestão dos biorresíduos”.

A população do nordeste transmontano tem ao dispor “cerca de mil ecopontos e 14 ecocentros” a que se juntam campanhas de sensibilização e projetos-piloto de recolha seletiva porta a porta.

Segundo a empresa Resíduos do Nordeste, também no primeiro semestre de 2021 ocorreu uma redução de 1,75% na recolha indiferenciada, ou seja, o lixo depositado nos caixotes sem separação, que corresponde 446 toneladas.

De acordo com a Resíduos da Nordeste, durante o ano de 2020, cada cidadão residente nesta região, produziu em média 423 quilogramas de resíduos, mas destes separou apenas, uma média de 32 quilogramas.

Para o presidente da Resíduos do Nordeste, este é o motivo pelo qual “é preciso continuar a apostar na sensibilização e reforço de meios, que permitam otimizar os valores da recolha seletiva”.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário