Águas Vivas: «Tenho uma enorme admiração pelo trabalho autárquico» – Manuela Ferreira Leite

A candidatura social-democrata à Câmara Municipal de Miranda do Douro voltou a realizar uma conferência online, desta vez dedicada ao tema da economia no concelho e aos candidatos Helena Barril e Óscar Afonso, juntou-se a ex-ministra das finanças e antiga líder do PSD, Manuela Ferreira Leite.

A ex-ministra das Finanças e anterior líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, foi a convidado da conferência online dedicada à economia no concelho de Miranda do Douro.

Após uma animada tarde de pré-campanha eleitoral pelas ruas de Águas Vivas, a conferência online realizou-se ao final da tarde de Domingo, dia 29 de agosto, no largo da Junta de Freguesia de Águas Vivas.

Com o objetivo de dar a conhecer a estratégia social-democrata para reativar a economia do concelho, Helena Barril e Óscar Afonso apresentaram as medidas económicas do seu programa, para apoiar as empresas, o comércio local e apoiar as famílias do concelho de Miranda do Douro.

O candidato social-democrata à presidência da Assembleia Municipal de Miranda do Douro, Óscar Afonso, começou por referir-se à convidada, Manuela Ferreira Leite, como um exemplo de “uma grande portuguesa na forma como exerceu os cargos públicos”, destacando o seu rigor, correção, estudo e espírito de serviço público. O economista disse ainda que Manuela Ferreira Leite personifica bem a pretensão da candidatura social-democrata: “seriedade no exercício dos cargos públicos e a ambição de transformar o concelho de Miranda do Douro, numa terra de oportunidades”.

De seguida, Óscar Afonso indicou os problemas mais graves que afetam o concelho mirandês: o despovoamento, a perda de rendimento da população, a dificuldade de acesso à assistência de saúde, dado que o centro de saúde local não funciona 24 horas por dia e os problemas económicos no comércio, na restauração e na indústria e na agricultura que se agravaram com a pandemia.

Sobre o tão falado negócio da venda das barragens, o candidato social-democrata criticou o servilismo e o silèncio do executivo camarário perante a fraude fiscal e a política do governo central. Óscar Afonso, voltou a dizer que o imposto de selo desse negócio é uma dívida ao concelho de Miranda do Douro, assim como o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), a participação na receita do IVA gerado pela venda de energia produzida pelos recursos naturais do concelho. “Esta receita é transferida mensalmente e já deveria ter começado em abril, mas até ao momento ainda não foi”, denunciou.

Segundo o economista, natural de Sendim, as receitas dos impostos em dívida são importantes para inverter o declínio do concelho de Miranda do Douro. Uma das medidas que a candidatura “Tempo de Acreditar” quer implementar é o Seguro de Saúde Municipal, assim como recrutar mais profissionais de saúde e assegurar o funcionamento, 24 horas por dia, do centro de saúde de Miranda do Douro. Outra medida é o apoio à economia local, “tão necessitada para enfrentar os prejuízos decorrentes da pandemia e para a sua modernização”.

Os sociais-democratas pretendem também ajudar os setores mais dinâmicos da economia local, como são a indústria e a agricultura, e neste setor o objetivo é implementar o regadio no concelho, de modo a a tornar a atividade agrícola mais produtiva, eficiente e competitiva. Outras medidas do programa do PSD são a modernização das cooperativas do concelho e a construção do matadouro municipal.

A candidata à Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril começou a sua intervenção, agradecendo a participação de Manuela Ferreira Leite na weconferência e elogiu o legado da ex-ministra das Finanças, designando-a como “um exemplo de coerência, de retidão, de espírito de serviço público”.

Entre as medidas que quer implementar como presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Helena Barril, voltou a referir-se em primeiro lugar ao Seguro Municipal de Saúde, um instrumento que visa suprir a insuficiência do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e as dificuldades financeiras das famílias. Também no que concerne à saúde, Helena Barril, referiu-se à intenção de que o centro de saúde de Miranda do Douro funcione 24 horas por dia e tenha os recursos humanos e equipamentos técnicos necessários para garantir a assistência adequada.

Na agricultura, Helena Barril, disse ser sua intenção aproveitar os fundos comunitários para criar uma área de regadio, que permita aumentar a produtividade, a eficiência e o rendimento dos agricultores mirandeses, à semelhança do que já fizeram Carrazeda de Ansiães e Vimioso.

Para a indústria, tão afetada pela paralisação da economia por causa da pandemia, a candidatura do PSD, pretende criar um gabinete de apoio ao investidor, com um regulamento que vida otimizar procedimentos e conceder benefícios a quem invista no concelho de Miranda do Douro.

Para inverte o despovoamento, Helena Barril, indicou medidas como a maximização dos benefícios fiscais em sede de IRS, dirigido por exemplo, aos emigrantes e reformados, mas também a quem exerça profissões consideradas como de alto valor acrescentado, e que regressem ou se instalem no concelho de Miranda do Douro.

Em sintonia com Óscar Afonso, Helena Barril, referiu-se também ao dinheiro dos impostos em dívida do negócio da venda das barragens. Sobre este combate cívico e político, a candidata social-democrata disse que o dinheiro em falta é de crucial importância para tornar o concelho de Miranda do Douro “uma terra de oportunidades”. E desafiou a candidatura socialista a fazer o mesmo e a lutar para que os 200 milhões de euros em impostos sejam pagos. “Dinheiro que foi retirado aos mirandeses para dar à EDP”, denunciou.

A candidata social-democrata recordou que o concelho de Miranda do Douro é o quinto concelho do país que mais riqueza produz para o país, graças à produção de energia elétrica das barragens de Miranda do Douro e de Picote. No entanto, na distribuição da riqueza nacional, o concelho de Miranda do Douro é um dos menos recebe sendo por isso um dos concelhos mais pobres do país.

Referindo-se novamente a Manuela Ferreira Leite, como um “expoente na boa gestão dos dinheiros públicos, a candidata Helena Barril, caso seja eleita presidente da Câmara Municipal de Miranda do Douro, comprometeu-se a gerir os recursos públicos de forma rigorosa, a favor do desenvolvimento de Miranda do Douro.

Helena Barril concluiu a sua intervenção afirmando que “pelo caráter, percurso, ideias, pela capacidade de fazer e de acontecer, pelo amor e dedicação ao concelho de Miranda do Douro, pela visão e a perspetiva de futuro, pela energia e determinação” está em condições de fazer mais e melhor do que o candidato socialista, na liderança da autarquia mirandesa. E por isso, diz, espera merecer a confiança dos mirandeses e mirandesas.

A conferência online, em Águas Vivas, concluiu-se com a intervenção da convidada, Manuela Ferreira Leite, que começou por expressar “a sua grande admiração pelo trabalho autárquico”.

Segundo a ex-ministra, o trabalho autárquico é de “grande proximidade e dedicação às pessoas”. E por isso, é também “muito escrutinado”.

“Quando o trabalho autárquico é realizado com dedicação e competência dá os seus frutos”, disse.

Na sua intervenção, Manuela Ferreira Leite, criticou o atual governo socialista dizendo que o país está cada vez mais pobre em comparação com os outros países da Europa.

Sobre a polémica da venda das barragens e e não cobrança dos impostos, a ex-ministra das Finanças disse que um autarca tem o dever de defender os interesses da sua população.

Manuela Ferreira Leite criticou o atual executivo camarário de Miranda do Douro, dizendo que “o caso da venda das barragens é exemplo da má gestão autárquica, que se coloca ao lado do governo, em prejuízo dos interesses da sua própria população”.

HA

Deixe um comentário