Cooperação transfronteiriça: Portugueses e espanhóis debatem problemas comuns

A Frente Cívica Vilar Formoso – Fuentes de Oñoro e o Fórum Cívico Ibérico vão organizar, no dia 30 de abril, o 2.º Encontro Transfronteiriço de Desenvolvimento, para discutir problemas das zonas raianas e estimular a cooperação.

O encontro está marcado para a aldeia de São Pedro do Rio Seco, terra natal do ensaísta Eduardo Lourenço (1923 – 2020), no concelho de Almeida, distrito da Guarda.

Segundo a organização, o evento que vai juntar participantes dos dois países, no dia 30 de abril, um sábado, no pavilhão da Freguesia de São Pedro do Rio Seco.

Olga Afonso, membro fundador da Frente Cívica de Vilar Formoso – Fuentes de Oñoro, disse hoje que no 2.º Encontro Transfronteiriço de Desenvolvimento será lançado o livro “Ibéria, Terra de Fraternidade”, que resulta da compilação de artigos de opinião de autores nacionais e espanhóis publicados no jornal digital ibérico “El Trapezio”.

A iniciativa contará com a participação de Pablo Castro Abad (presidente da Plataforma Civil Ibérica), de Pablo González Velasco (coordenador geral do “El Trapezio”), de Alexandra Isidro (coordenadora do Centro de Estudos Ibéricos – CEI, com sede na Guarda) e de Maria Isabel Martin Jiménez (professora na Universidade de Salamanca e membro do CEI).

Um dos objetivos do encontro é juntar pessoas a título particular e representantes de associações e instituições dos dois lados da fronteira, para “discutir problemas” e “estabelecer projetos de cooperação”.

“Neste momento, com o nível de despovoamento que temos na nossa zona, que é bastante grande, e um pouco por toda a raia, nós precisamos de nos unir para que possamos combater os problemas que são transversais e que são ao nível da saúde, da educação e de infraestruturas. Só se nos unirmos é que iremos conseguir obter melhores serviços e com qualidade”, disse a responsável.

Na opinião de Olga Afonso, “tem de haver essa união e a criação de projetos em conjunto, porque se cada um faz um bocadinho, o impacto é muito menor do que se todos estiverem unirmos e fizerem algo maior”.

“Os encontros [transfronteiriços] têm sempre esse grande objetivo. Que [deles] saiam laços, que se conheçam as pessoas, que possam depois colaborar entre elas e gerarem-se projetos conjuntos para que todos juntos possamos combater esse grande problema que nós temos, que é o despovoamento e todos os problemas que são inerentes a ele, porque onde não há pessoas não há escolas, não há centros de saúde, não há infraestruturas”, explicou esta responsável da Frente Cívica de Vilar Formoso – Fuentes de Oñoro.

O 1.º Encontro Transfronteiriço de Desenvolvimento decorreu em outubro de 2021 na localidade espanhola de Espeja, situada a cerca de 12 quilómetros da fronteira de Vilar Formoso.

Fonte: Lusa

Deixe um comentário