Vimioso: Há três javalis por km² na zona de caça associativa de Santulhão

A densidade média de javalis (Sus scrofa), existente na Zona de Caça Associativa (ZCA) de Santulhão é de três indivíduos por km², indicam dados de um relatório científico, elaborado e publicado pelo Instituto de Investigação em Recursos Cinegéticos da Universidade de Castilla-La Mancha, em Espanha, em colaboração com a Palombar – Conservação da Natureza e do Património Rural.

A zona de caça associativa de Santulhão (ZCA), localizada no concelho de Vimioso, constitui uma das áreas de estudo deste projeto, bem como do Observatório Europeu de Fauna Silvestre, criado no âmbito do ENETWILD.

Integra, desta forma, a rede de estações de amostragem do observatório a nível europeu. Nesta ZCA, a Palombar desenvolve ações de monitorização das populações de fauna silvestre, com foco principal no javali.

O relatório apresenta os resultados das ações de monitorização e avaliação da densidade de javali com recurso a armadilhagem fotográfica em 19 áreas na Europa, principalmente na Europa do Leste.

As densidades obtidas para essas 19 áreas com base nos Modelos de Encontro Aleatório (REM – Random Encounter Model, em inglês) variaram de 0,35 a 15,25 indivíduos/km2.

“A obtenção de estimativas fiáveis da abundância de javali é a base para a sua gestão correta e eficaz, permitindo uma melhor compatibilização entre a atividade cinegética e a conservação da natureza. Lembremo-nos que, por um lado, esta espécie é alvo de exploração cinegética e, por outro lado, é uma presa silvestre muito importante do ameaçado lobo-ibérico. Portanto, a gestão das populações de javali, e também de outros ungulados silvestres, deverá ter sempre em conta estas duas facetas. Este relatório ilustra ainda a importância da colaboração entre diversas entidades a nível europeu e demonstra o enorme potencial do uso de protocolos estandardizados e métodos validados cientificamente para estimar a abundância de espécies de fauna silvestre em áreas geográficas amplas. Para além disto, a replicação desses protocolos ao longo do tempo é fundamental para acompanhar as flutuações nessas populações”, sublinha João Santos, biólogo e investigador da Palombar.

Segundo a Palombar, esta espécie é alvo de exploração cinegética e, por outro lado, é uma presa silvestre muito importante do ameaçado lobo-ibérico.

Segundo o documento, os resultados apresentados pelo estudo demonstram que é possível obter uma estimativa fiável da densidade da fauna silvestre (nomeadamente de mamíferos terrestres) à escala europeia, através da partilha dos mesmos protocolos, colaboração na definição dos desenhos de estudo, processamento e análise de dados.

O projeto ENETWILD, financiado pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), visa melhorar as ferramentas e capacidades, a nível europeu, de monitorização das populações de espécies de fauna silvestre, no que se refere à sua distribuição e abundância, desenvolvendo protocolos estandardizados para a recolha e validação de dados, bem como criar e promover uma grande base de dados europeia comum a este nível.

Atualmente e durante os próximos anos, o foco do ENETWILD será as populações de javali.

No âmbito deste projeto, serão recolhidos dados sobre espécies de fauna silvestre comparáveis a nível europeu, com o objetivo principal de avaliar, de forma mais eficaz e célere, os riscos de ocorrência de doenças partilhadas entre animais silvestres – que podem ser reservatórios de agentes patogénicos – o gado doméstico e os seres humanos, ou seja, os riscos de zoonoses, doenças e infeções transmitidas ao homem através dos animais.

Os dados obtidos durante este projeto também serão essenciais para a conservação e gestão da fauna silvestre.

Fonte: Palombar

Deixe um comentário