IV DOMINGO DA QUARESMA

Filhos

Jos 5, 9a.10-12 / Slm 33 (34), 2-7 / 2 Cor 5, 17-21 / Lc 15, 1-3.11-32

A «parábola do filho pródigo» terá o título mais enganador de todas as parábolas de Jesus. Este epíteto faz com que o nosso olhar se centre no filho mais novo, quando Jesus quer que nós estejamos a olhar para o pai.

É por aí que Ele começa: «um pai tinha dois filhos». O mais novo saiu de casa, esbanjou o seu dinheiro em festas e acabou como cuidador de porcos. O mais velho ficou e cumpria o seu dever de obediência ao pai. O mais novo, reconhecendo a sua miséria, volta para casa, para se oferecer como servo ao seu pai. O mais velho persiste na vida de sempre, agarrado à sua autoimagem de filho perfeito, ao qual tudo é devido.

E o pai? Ainda o filho mais novo estava ao longe, e aquele, movido pela impaciência do amor, sai ao seu encontro, perdoa-lhe e faz uma festa porque o seu filho perdido regressava a casa. O mesmo pai, ao aperceber-se que o filho mais velho, num estado de profundo ressentimento, era incapaz de compreender a gratuidade do perdão, sai novamente de casa e pede-lhe que se junte à festa.

O Deus da fé, aquele que Jesus nos ensinou a chamar Pai, é este pai da parábola, um Pai que sai amorosamente em busca dos seus filhos. É um Pai que tem paciência para com aquele que se afasta e que busca aquele que é incapaz de perdoar o irmão. É um Pai que perdoa com o mínimo gesto de regresso ao amor e que implora ao empedernido de coração que se deixe renovar.

O Deus da fé, aquele que Jesus nos ensinou a chamar Pai, é este pai da parábola, um Pai que sai amorosamente em busca dos seus filhos.

Assim é o nosso Deus. Não o esqueçamos. E não esqueçamos também que é à imagem e semelhança deste Deus que fomos criados, e que é deste Deus que somos chamados a dar testemunho.

Neste domingo «Laetare», recordemos que este Deus de perdão não é somente a nossa esperança e a nossa salvação, mas é também a nossa alegria.

Fonte: Rede Mundial de Oração do Papa:

https://www.redemundialdeoracaodopapa.pt/meditacao-diaria/1644

Deixe um comentário