EPIFANIA DO SENHOR (SOLENIDADE)

Jesus é para todos

Is 60, 1-6; Slm 71, 2.7-8.10-13; Ef 3, 2-3a 5-6; Mt 2, 1-12

A vinda do Senhor ocorre de forma discreta, numa pequena aldeia de Belém. Mas dirige-se ao mundo inteiro. É a chegada de Deus ao mundo e para todo o mundo que celebramos hoje, na Epifania do Senhor. A Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo aos Reis Magos é a sua manifestação aos povos de toda a terra, muito para lá do povo escolhido de Deus, Israel. Melhor, é o alargar da eleição de Deus a todos os povos da terra; ninguém está fora da sua aliança de amor e de bondade.

Estes sábios do Oriente reconhecem numa estrela aquilo que, então, Israel se recusou a ver: a vinda do Messias. Quantas vezes, como Igreja, procedemos da mesma maneira e são aqueles que não fazem parte dela a reconhecer primeiro os sinais dos tempos que apontam uma manifestação de Deus? Isto tem de nos interrogar: como crentes, estamos dispostos a reconhecer a perene e surpreendente novidade de Jesus, que se continua a revelar no mundo? Ou estamos fechados nos nossos hábitos e ritos, práticas e devoções? Está a nossa vida espiritual aberta à contínua revelação do Espírito, ou resistimos a ir além do cómodo cumprimento do preceito?

Aproveitemos a Epifania do Senhor, esta sua revelação a todos os povos da terra, para nos questionarmos quanto à forma como nós, Povo peregrino de Deus, ainda esperamos a vinda do Senhor. Renovemos as nossas práticas espirituais, não adotando práticas novas ou estranhas, mas aprofundando a nossa vivência dos sacramentos, principalmente da Eucaristia e da Reconciliação. Nestes lugares, Deus faz-se presente com a sua graça de uma forma extraordinária e insta-nos a fazer caminho. Caminhemos na peugada dos magos do Oriente, procurando sem cessar a estrela luminosa que nos guia à presença de Jesus, já não como estranhos, mas como amigos que procuram o seu Senhor.

Estes sábios do Oriente reconhecem numa estrela aquilo que, então, Israel se recusou a ver: a vinda do Messias. Quantas vezes, como Igreja, procedemos da mesma maneira e são aqueles que não fazem parte dela a reconhecer primeiro os sinais dos tempos que apontam uma manifestação de Deus?

Fonte: Rede Mundial de Oração do Papa

https://www.redemundialdeoracaodopapa.pt/meditacao-diaria/1556

Deixe um comentário