XXXI DOMINGO DO TEMPO COMUM

O que é essencial?

Deut 6, 2-6 / Slm 17 (18), 2-4.47.50-51ab / Hebr 7, 23-28 / Mc 12, 28b-34

Moisés exorta o povo de Israel a temer «o Senhor, teu Deus». Não se trata de inculcar medo, porque sendo Deus amor, só há que cultivar sentimentos positivos. Mas, em sentido bíblico, «temer a Deus» significa fazer a sua vontade, observar o que Deus quer, que é sempre o melhor para nós.

Ainda hoje, todo o crente judeu reza três vezes por dia a oração que vem nesta passagem do livro do Deuteronómio, e que começa com uma profissão de fé na unicidade de Deus: «Escuta Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças». Uma oração recomendável a todos nós, que seguimos Jesus Cristo, que incontáveis vezes rezou esta oração, como fiel judeu.

O autor da Carta aos Hebreus dirige-se aos cristãos convertidos do Judaísmo, afirmando que o sacerdócio de Cristo é infinitamente superior ao dos sacerdotes da antiga lei, pecadores como todos os homens e necessitando de repetir holocaustos e sacrifícios. O culto que Cristo estabeleceu é do «sumo sacerdote perfeito para sempre». Vivo na gratidão pelo sacerdócio de Cristo que os sacramentos da sua Igreja especialmente nos transmitem?

Jesus resume toda a lei no amor de Deus e no amor ao próximo. São dois amores que se reclamam mutuamente, porque as pessoas são um lugar teológico, presença de Deus. No tempo de Jesus, os mestres tinham resumido toda a lei em 613 preceitos ou mandamentos. Era uma floresta complicada de deveres (248, segundo a ciência de então, era o número dos membros do corpo humano) e de proibições (365, tantas quantos os dias do ano). Cristo é simplificador das complicações dos legalismos humanos. Propõe-nos o amor, a Deus e ao próximo, como a síntese fundamental de todos os nossos deveres. Vivo a crescer na simplificação do amor, como Deus quer e o próximo necessita?

Cristo é simplificador das complicações dos legalismos humanos. Propõe-nos o amor, a Deus e ao próximo, como a síntese fundamental de todos os nossos deveres. Vivo a crescer na simplificação do amor, como Deus quer e o próximo necessita?

(Meditação diária no site da Rede Mundial do Apostolado da Oração)

https://www.redemundialdeoracaodopapa.pt/meditacao-diaria/1490

Deixe um comentário